terça-feira, 25 de outubro de 2011

Paradise Kiss

Em uma madrugada fantástica, eis que decidi assistir um novo anime, apenas para descontrair uma noite em claro. Elegi para este momento Paradise Kiss e, inexplicavelmente, não me arrependi da escolha. Paradise Kiss, da mesma autora de Nana, Ai Yazawa, me fez ter um momento único... Algo que por muito tempo não me ocorreu, e é por essa e outras coisas que irei nesse post elogiar esta história. Análise a seguir:
O que percebi ao ler/assistir as obras da mangaká Ai Yazawa é que a autora faz do cenário em que vai se passar a história algo marcante na trama, algo único dentre todos seus trabalhos, algo inovador. Tomemos como exemplo Nana, que é a história onde duas garotas que possuem o mesmo nome vivem no mesmo apartamento. Yazawa, nessa história, fez da mesa feita por Nana (Oosaki), que se encontra na janela, o local central da trama, onde os personagens se reunirão, onde os fatos importantes acontecerão... Com Paradise Kiss não foi diferente. Logo no primeiro episódio de ParaKiss, na primeira fala mais precisamente, Yukari Hayasaka, a protagonista, descreve como é o ateliê, com sua escada, com seu cheiro impregnante de doces chineses, local onde pode-se escutar músicas histéricas, além de sua porta rosa choque. Mundo fantástico.
É nesse ambiente que Yukari, apelidada carinhosamente de Caroline, irá descobrir um novo mundo, e dentro dele irá viver uma nova vida. Tudo começa quando ela está indo para seu cursinho e, de repente, Arashi, um punk, a aborda. Yukari então corre, mas esbarra em Isabella e desmaia, pois acaba pensando que a mesma é um Shinigami (deus da morte). pior que parece Quando acorda, já no ateliê, Yukari se depara com Isabella, um travesti, Arashi (aquele punk) e Miwako, estudantes da Yazawa Gakuen (uma escola famosa por dedicar-se ao estudo da moda) que acabam a convidando para ser sua modelo em um concurso, por ela se encaixar perfeitamente na imagem que eles tinham para o vestido. Yukari, ainda assustada com tudo isso, recusa. Arashi então é rude com ela, o que faz Yukari sair correndo. Quando ela já está subindo as escadas para sair do ateliê, Miwako a chama de "Caroline", por não saber seu nome, e diz que ela pode ir a qualquer hora para lá. Com o susto Yukari derruba sua Identidade Estudantil.
Miwako
Para a festa estar completa, o 'chefe' desse grupo de estudantes é nada mais, nada menos, que o egocêntrico George. Ele olha a foto de Yukari que está na Identidade Estudantil da garota e a acha muito bonita para ser a modelo do desfile, mas como Arashi foi muito rude com ela, George decide ir até a escola de Yukari se desculpar com ela, fazendo com que ela reconsidere o pedido de desfilar para eles. Ele, chegando lá, pede desculpas em nome de seus amigos e diz que só devolverá sua identidade se ela for com ele pegar. Eles então entram no carro de George, um Jaguar E-Type 4.2 Series 2 Roadster, e vão até a escola Yazawa, onde George pede para um amigo, o lidérrimo Seiji (maquiador e cabeleireiro muito famoso), que corte o cabelo de Yukari, que incialmente se nega, mas, por fim, sai de lá com um novo visual gostava mais do anterior. Eles então vão para o ateliê, onde Yukari conhece mais sobre Paradise Kiss (ParaKiss), que é a grife deles, sobre o ateliê, que era um bar, e acaba vestindo um vestido da grife, que fica perfeito nela. George então diz, após devolver sua Identidade Estudantil, que esperará três dias para que ela decida se quer ou não desfilar para eles no festival.
George
E é num clima de dúvidas que Yukari decide aceitar o convite deles. O que me deixou mais e mais fascinada foram as características ímpares de cada personagem. Yukari, a garota que muda ao decorrer da história, se apaixona por George, larga tudo para viver esse momento, mas decide retornar para casa, já que precisa de autorização de seus pais para seguir profissionalmente a carreira de modelo. George, por outro lado, é aquele riquinho mimado que diz que ama Yukari, mas age como se estivesse com ela apenas para aumentar seu ego. O desfile, por fim, é um sucesso, logicamente com seus imprevistos, mas tudo acaba bem. O final, bem... Seria importante não comentar sobre ele, já que, para quem não leu ou assistiu fica meio chato, mas seria um final bem interessante para minha vida (falo do noivo dela).
O trabalho de Ai Yazawa é realmente incrível, sendo que cada personagem criado por ela, por mais cômico que seja, tem um ar elegante (fora as roupas que eles usam, que parecem ter saído de um desfile). No final do primeiro episódio levei um susto por ver no encerramento a música 'Do you want to?', da banda britânica Franz Ferdinand (ah, e notem que na parede de um quarto, no anime, tem um 'pôster' da banda). *O* Aqui o encerramento:

Aí está... Ah e pra quem não sabe, a história já possui um live action e o mangá já foi licenciado no Brasil!

2 comentários:

Tokio Hotel News disse...

Te indiquei para o Selo Sunshine Award 2011, dá uma olhada no meu blog (www.keikokawaiiblog.tk)

Miyukii disse...

brabo! :3