terça-feira, 25 de setembro de 2012

TOP - Meus animes favoritos

Com o passar dos posts, dos momentos felizes e frustrantes, enfim estamos chegando a 2 anos de blog. Sim galerinha, em outubro o blog completa mais um ano de vida, um ano meio ranzinza, mas repleto de novidades e coisas boas. Na semana de aniversário teremos em cada dia um post novo, então nem venham reclamar que me ausentei por tempo indeterminado... Enfim, vim aqui mostrar serviço e escrever sobre os animes que mais gosto, já que percebi que vocês devem ter apenas uma ideia sobre isso. Dessa vez não farei uma lista de dez, mas sim uma de cinco, pra aproveitar tempo e evitar a fadiga. Lá vai:

5 - Sakura Card Captor
Depois de tantos anos, já crescidinha, pode até parecer infantil, mas ainda gosto muito dos traços do Clamp, e principalmente de suas histórias, que misturam segredo, mistério, fantasia e "moe moe". A maioria pode até considerar xxxHolic como a melhor obra do estúdio, mas para mim (amo muito xxxHolic, tá?) nenhuma até hoje conseguiu bater Sakura Card Captor. É em Sakura que o "universo Clamp" é melhor trabalhado, onde nos é apresentado o Mago Clow, sua magia, dentre outros aspectos e até personagens que apareceram em outras obras Clamp. Com suas extensas três temporadas, Sakura Card Captor ainda é uma das obras mais populares tanto no Japão quanto no exterior, tanto que aqui o mangá já ganhou até edição luxo... E quem iria imaginar que aquele desenho que passava nas manhãs da Globo ia ganhar tanto espaço assim no meu coração, né? Ah, e pra quem não sabe, assisto o anime de vez em quando... :)
Sinopse: Sakura Kinomoto é uma estudante da escola Tomoeda que, certo dia, descuidadamente, abre um livro mágico e liberta todas as Cartas Clow nele aprisionadas. Assim, com a ajuda de Kerberos, uma criatura mágica, de sua amiga Tomoyo Daidouji, e de seu (à priori) rival Syaoran Li, a garota luta para conseguir recuperar todas as Cartas Clow e restaurar o equilíbrio em sua cidade.

4 - Clannad
Como já diziam os fãs de clichês, "anime bom é aquele que te faz chorar". Lógico que discordo desse ponto, mas não totalmente. Acho que, além de chorar, um bom anime deve entreter, fazer rir, se apaixonar... Um bom anime deve cumprir bem o que se dispôs a fazer, e é isso que Clannad faz com primor. Clannad e Clannad ~ After Story, sua segunda temporada, nos encurralam em uma história onde tentamos diferenciar o que é "real" do que é imaginário/fantasia, e ficamos com essa dúvida até o final, quando tudo é esclarecido num belo episódio digno de gran finale. O legal nisso tudo é que o anime realmente apela para todos os lados, principalmente para um bem emotivo, mas não posso dizer que isso seja ruim... Como falei no início, "anime bom é aquele que te faz chorar".
Mas... Raio, Clannad não é baseado em um jogo erótico? Sim, e é isso que o torna interessante. O personagem principal deve se envolver com todas as garotas (harém) de alguma forma ou de outra, mas não há nada além disso, nenhum beijo sequer... Ele deve continuar sendo de todas, assim como, por exemplo, em Uta no Prince-sama, deu pra entender? Não que esse padrão se repita sempre, mas é, como já falei, um padrão. Clannad, que não é muito diferente, tem um cara cercado de garotas lindas, mas escolhe uma delas e... (é a partir daí que há uma ruptura do padrão). É engraçado você assistir um anime onde os dois protagonistas se casam, têm uma filha, e não trocam no mínimo um selinho, pelo menos não nos é mostrado um. Esse é o aspecto herdado desse tipo de jogo.
Clannad é diferente de tudo que já vi por ter uma história repleta de sensibilidade. Sim, toda vez que Tomoya se envolve com uma das garotas da história ele tentará resolver um problema de cada uma, sendo esses problemas muito complexos, que envolvem morte dos pais, morte do irmão mais velho, família, sonhos, doenças raras... Enfim, é um anime que mostra os personagens superando seus medos; seus obstáculos.
Sinopse: Tomoya Okazaki está cursando o último ano do ensino médio. Ele é considerado um delinquente, mas um encontro com Nagisa Furukawa, uma estudante calma e de baixa auto-estima, mudará sua vida.

3 - Vampire Knight
Sangue, amor, desejo, pacto, maldição... Tudo isso está interligado em Vampire Knight, onde nada é o que parece. Até hoje me pergunto o que realmente vi em VK, pois Yuuki é muito indecisa, Zero não tem atitude, e Kaname pisa em sua amada logo quando as coisas estavam se ajeitando... Sim, essa deveria ser a sinopse da história: um triângulo amoroso indeciso, mas bem construído. Apesar de tudo isso, devo ressaltar que o anime tem uma carga de eroticidade que ultrapassa o limite hentai... (brincadeira) E isso é algo muito positivo. Sério, deixem-me explicar: imaginem um vampiro e uma garota no banheiro, a garota meio que querendo que o bendito sugue seu sangue, mas ele resistindo até que... Suas presas cravam o pescoço da garota. Tem ou não um ar dramático e sexy? Sim! Zero e Yuuki nem se beijam no anime, mas ficamos com essa impressão, já que há entre eles uma tensão que ultrapassa o amor: desejo por sangue. Já Kaname tem um ar sério. Ele é muito sozinho, e vive em seus pensamentos. Acho esse lado elegante e sério muito atraente no personagem, e na história também (fazer o quê, né?). A própria Hino Matsuri tem muito cuidado ao desenhá-lo, por ele ser importante (ou o mais importante?). P.S.: Ainda tenho esperança de uma terceira temporada. :)
Sinopse: Dez anos após ser salva por um vampiro, Yuuki Cross, filha adotiva do diretor da Academia Cross, é a monitora encarregada de proteger o segredo de todos os estudantes da classe noturna: o de que todos são vampiros. 

2 - Nana
Ai Yazawa, pra quem não conhece, é atualmente uma das mangakás mais divas, que além de desenvolver histórias incríveis, ainda tem um dos traços mais lindos que já vi na vida. Tá, nem sei se ainda vive, já que há anos Nana está em hiatus e sem previsão de retorno, mas uma coisa é clara: tudo o que ela assina faz sucesso. O shoujo mangá mais vendido no mundo, Nana é um josei de respeito, onde os personagens vivem cercados por um ambiente bem "sexo, drogas & rock n' roll"... às vezes num clima suave, às vezes dramático. Em Nana o amor é muito intenso. Os personagens possuem uma forte ligação, e a ruptura dela pode até chocar, como por exemplo quando a Hachi deixa o apartamento e Nana, por causa disso e outras coisinhas, começa a ter ataques de pânico. A morte e a solidão também estão presentes nessa obra, o que pode causar grande impacto aos desavisados. Sobre a trilha sonora sou suspeita em falar, já que tenho a OST salva em todos os lugares. Realmente é um anime muito bem trabalhado nessa parte, já que tem em sua história duas bandas, uma mais pop e outra mais punk. Não sei se terá segunda temporada, já que estava super confirmada depois do grande sucesso da primeira, e devido ao hiatus foi esquecida, mas vai que a dona Ai Yazawa volta, né? É só torcer.
Sinopse: Nana Oosaki e Nana Komatsu, apesar de possuírem o mesmo nome e a mesma idade, não possuem nada em comum. Uma é estilosa, cabeça dura, vocalista de uma banda punk e com um misterioso passado, já a outra é volúvel, insegura, sonhadora e com um passado repleto de amores à primeira vista. Numa viagem de metrô para Tóquio essas duas 'Nanas' se conhecem e, depois disso, criarão laços que mudarão definitivamente o rumo de suas vidas.

1 - Fullmetal Alchemist
Definitivamente meu anime/mangá favorito. Posso até garimpar, procurar algum anime para substituí-lo na minha lista, mas não consigo encontrar shounens com tais características, e nem com a mesma qualidade. O trabalho empregado no anime (estou falando do Brotherhood) foi tão impecável e estonteante que me deu até vontade de chorar nos últimos episódios. Certo, sou muito emotiva, mas quem nunca se emocionou ao, por exemplo, assistir os episódios em que Ed e Al conhecem Nina e seu cachorro Alexander? Se não se emocionou, desculpe, mas você tem sangue frio. O que mais gosto em Fullmetal Alchemist não são, obviamente, as batalhas, mas sim a complexidade de cada episódio, de cada personagem... A linha central cheia de ramificações da história, que te impossibilita de pular um episódio, porque sem ele a compreensão do seguinte seria quase nula. A trama não se passa em apenas um lugar, ou época (vai, spoiler é bom), e até os personagens mais banais tem a sua importância. Os traços da Hiromu Arakawa não são comparáveis aos da Ai Yazawa ou da Hino Matsuri, mas nem por isso são de se deixar de lado. São bonitos até, e eficientes com a trama por ela proposta. Acho ela uma diva, a minha Arakawa-sensei brilhante, que conseguiu transformar sua história sobre dois irmãos, alquimia, lei da troca equivalente e homúnculos em um dos maiores hits dos últimos tempos. É um shounen de respeito, e eu super indico!
Sinopse: Depois da morte da mãe, dois irmãos, Edward e Alphonse Elric, decidem revivê-la usando a alquimia. De uma tentativa fracassada os dois saem com perdas: Alphonse perde seu corpo e tem sua alma presa em uma armadura por seu irmão; já Edward perde sua perna esquerda, e depois o braço direito (preço para trancafiar a alma de seu irmão). Agora os dois estão numa longa jornada para recuperar seus corpos.
Bem, espero que tenham gostado desse post maroto. E... Se demorei ou se sumi, o importante é que tem post novo aquiii... !

2 comentários:

Amandinha disse...

Raio-chan, saudades^^
Bom o que dizer desse post: É TUDO DE BOM xD
Cara me identifiquei muito, até no rank não mudaria nada, foi simplesmente show =)
Enfim espero que vc volte com mais coisas boas e tão parecidas com as minhas pra eu pirar quando for lê kkkkk
Abraços!!!!
Ah já ia me esquecendo: PARABÉNS pelos 2 anos de Blog \o/\o/

Anônimo disse...

Fullmetal com certeza o melhor anime...
Esse foi o anme que me abriu a portas para gostar do mundo otaku...
Achei a história, a tria sonora e os personagens bem marcantes!!!
Esse anime é muito é nota 1milhão!!