terça-feira, 23 de julho de 2013

Diário de viagem I: Liberdade

Aqui quem vos fala é aquela que deixou esse blog em hiatus por meses e que voltou para se desculpar com uma cara de pau sem limites. Sim, essa "cara" sou eu! Bom, antes de começar o meu relato sobre a viagem, gostaria de contar um pouco de como foram esses meses em que estive distante do computador. Bom, pra quem não sabe faço faculdade de História na UECE (Universidade Estadual do Ceará), e agora estou estagiando, dando aulas de reforço para crianças. Não bastasse isso ainda tive que me contorcer para conseguir entregar trabalhos, estudar para provas etc. Foi um semestre muito puxado, e ele por si só justifica todo esse tempo sem postar. Para aqueles que me acompanham, a única coisa que posso fazer é me desculpar e tentar me redimir nesses dias que tenho livre... Se bem que próximo semestre também será puxado por conta do meu projeto de conclusão de curso, mas tentarei dá um break e vir aqui.
Sobre a viagem, o que posso dizer é que cheguei sã e salva, e que consegui fazer minhas comprinhas desejadas. Ah, e antes que me perguntem, sim, fui na Liberdade. Muitas blogueiras costumam comentar que lá as coisas são muito baratas, mas não achei isso, infelizmente. Fui na Liberdade (ou Liba, como é apelidada) três vezes, e em cada visita sai de lá cheia de sacolas, exclusivamente cheias de mangás. Fora isso comprei uma mochila, dois colares e uma caneca do Kero, todas as coisas que achei bem em conta, mas com relação a objetos decorativos achei tudo muito caro.
Talvez eu seja mão de vaca demais, e por isso mesmo tenha torcido o nariz para diversos produtos, então não levem em conta meus comentários de pobreza extrema, é só que eu tenho amor por cada centavo que ganho. Sobre a Liberdade tenho que comentar sobre o Shopping Sogo Plaza, que foi onde passei boa parte do tempo, e que foi onde levei um "sacode" de uma japonesa, já senhora, só porque pedi pra ver uma mochila, a abri, fechei e devolvi. Certo que seja costume dela, ou seja lá o que for da cabeça daquela maluca, mas só pedi pra ver o produto por dentro pra comparar com o que tinha visto em outra loja, e se fosse melhor o compraria, mas o caso é que a mochila estava exposta sem nenhuma proteção, empoeirada, e ainda com um mal acabamento por dentro. Não sei se ela ainda não se deu conta que está em outro país, ou se esqueceu que um bom comprador deve olhar o produto e pesquisar antes de comprar... Enfim. Ia sair de lar com uma má impressão, mas passei em outra loja onde fui super bem atendida, onde a mochila era mais cara que a da madame grosseira, mas acabei pagando mais só pelo excelente atendimento. Dica: quer vender, saiba mostrar o produto e não sair "esculhambando" o cliente apenas por ele não ter comprado.

Sobre as outras lojas super comentadas, como a Livraria Sol e a Livraria Fonomag, visitei ambas, e até saí de lá com algumas comprinhas, mas nada de extravagante, já que, lembrando, sou pobre. Aliás, nesse último dia de visita à Liberdade tive o prazer de ter como guia a Ariela, do blog Dimichan, que mesmo não me conhecendo aceitou me encontrar e me mostrar alguns lugares por lá, como as próprias livrarias acima mencionadas, um mercado de produtos japoneses e até o lugar onde estuda o tal idioma nipônico. Amei conhecê-la! Ah, e ainda almoçamos yakisoba no Restaurante Katsuzen, que também fica na Liberdade.
Em suma, foi uma experiência muito agradável, que só ficou um pouco batida por conta do frio, que pode não ter sido tão intenso, mas pra mim realmente foi um incômodo. Gostei muito de ter conhecido a Liberdade e com toda certeza voltarei para outra visita algum dia. 

Mas por agora ficarei aqui, sentadinha, pensando na vida!

6 comentários:

Erenildo-Senpai disse...

nossa que legal, moro tão perto de SP e não posso ir, mais pelo menos li a experiência de quem já foi.
amei o post viu XD.

Raio disse...

Obrigada, querido. :*

kairasensui disse...

Olá Raio!

Visito a Liberdade pelo menos uma vez por mês e, se tiver outra oportunidade, visite o restaurante Aska. É um restaurante de lamen tradicional muito bom, apesar de ser um pouco "agressivo" no que diz respeito a "coma e saia", mas entendo que, pela refeição ser muito barata, espaço pequeno e alta procura, eles acabam tendo que fazer esse tipo de coisa.

Recentemente tivemos o Festival do Japão, inclusive fiz uma resenha sobre ele em meu blog. Vale a pena se programar para dar uma conferida nele também.

As melhores lojas de mangá do Sogo estão no último andar e em algumas ocasiões mangás mais antigos estão armazenados no estoque deles, por isso é sempre bom perguntar. Coleções completas é importante pesquisar se na Comix não está mais barato, já perdi de gastar algumas dilmas por conta disso mas recentemente economizei muitas por pesquisar antes.

Quanto aos gashapons, também acho que algumas lojas estão com um preço alto, principalmente em relação ao preço das mesmas coisas, só que comprando importado pela internet. Recentemente comprei um Luffy e um Ace por 55 reais (incluindo frete) na Internet enquanto na Liberdade cada um estava por 120, o mesmo produto. Ainda sim, comprando lá, é importante pesquisar a mesma coisa nas várias lojas do Sogo.

Um abraço!

Gusta

Raio disse...

Com relação aos mangás realmente achei os preços do Sogo muito elevados. Estavam cobrando 50,00 pelo primeiro volume de Black Butler, lançado a alguns meses... Ainda bem que já o tinha! Não tive a oportunidade de visitar a Comix nessa viagem, mas já comprei vários números da primeira edição de Sakura CC na mesma através de um stand da Bienal, onde saí com vários mangás com o preço de capa.

Assim que viajar pra Sampa novamente programarei mais visitas, então obrigada pelas dicas.

Obrigada por comentar. Beijos.

Laura Regina disse...

Então, sempre tive a impressão da liberdade ser mais barata, talvez por estar acostumada com os preços impraticáveis de outras regiões.
Devo admitir que a maior parte das minhas compras na liberdade são de comida. Faço minha "compra do mês" nas lojinhas da galvão bueno, compro gyosas e pão recheado pra congelar, o arroz e a alga pra fazer sushi e etc...
Compro mangás em festivais, o preço fica mais camarada e sempre tem algum colecionador mais ~socialista~ que só quer passar aquele pra frente pra iniciar uma nova coleção.
Espero que de modo geral tenha gostado de São Paulo e em especial da liberdade, eu costumo descer quase rolando a escadaria para o metrô de tanto comer todo final de semana que passo lá, então já viu ;)

Mariana Alves disse...

Oi minha linda. Sempre quis conhecer o bairro da liberdade, mas infelizmente moro muito longe de São Paulo. Obrigada por compartilhar isso.
Estou com um blog novo(o meu antigo era Sakura Anime), já coloquei seu banner lá
http://marianaalb.blogspot.com.br/p/srchttpimg831.html