quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

My So Called Life - Uma das séries mais marcantes dos anos 90

Enquanto o mundo é cor de rosa e todos dançam Ragatanga, cá estou eu babando sobre os visuais clássicos de seriados e filmes, ambos da década de 80 e 90. Dentre os seriados, o título que sempre despertou meu interesse foi o icônico My So Called Life, que foi cancelado com apenas 19 episódios. Não se enganem, pois esses 19 episódios foram o bastante para marcar uma época.
A série começa com duas adolescentes agindo como se estivessem "nem aí para nada", pelo menos foi essa a minha primeira impressão. As roupas que elas vestem se destacam, como se fossem um certo uniforme, um estilo bem característico do começo dos anos 90: o grunge.
Por curiosidade, enquanto pesquisava sobre outro estilo, me deparei com um verbete em um dicionário de moda, o qual achei bem interessante e copiei no meu caderno. No dicionário Moda Ilustrada de A a Z, de Regina Maria Catellani, o grunge é definido como um estilo inspirado nos trajes de mendigos, com roupas largas e relaxadas, com muito preto, ou um mix cromático desconexo. Destacando a indumentária, gosto de frisar esse lado desleixado e volumoso, e a minha eterna relação de amor e ódio: estampa xadrex (que amo) vs estampa floral (que não tenho nada contra, apenas detesto). Esse visual é super trabalhado na série, que surgiu em meio àquele turbilhão, e por isso algumas frases como "Nem acredito que ele morreu... (referente ao Kurt)" fazem mais do que sentido. Consigo fazer uns links bem interessantes com o contexto da época, e isso é um dos pontos legais da série.
Também conhecida como Minha Vida de Cão, o seriado tem sua trama centrada em Angela Chase, uma garota que começa a enxergar o mundo com um outro olhar. Ela tem dois amigos, uma paixão, uma irmã, uma lista de escolhas precipitadas e um lindo cabelo castanho que ousou trocar por um ruivo bem "cheguei". Ela seria o que considero como o espelho de qualquer adolescente, e por isso o seriado chega a ser tão atrativo. Não limitarei a história apenas à Angela, pois considero os outros personagens igualmente importantes para o sucesso da mesma, mas devo admitir que a escolha da jovem Claire Danes foi mais do que perfeita.
Um dos grandes destaques da série foi o interesse amoroso de Angela, a protagonista, por Jordan Catalano, interpretado por Jared Leto, vocalista da banda 30 Seconds to Mars. O rapaz rouba a cena assim que a jovem começa a falar a frase que meu eu adolescente gostava de repetir: "Estou apaixonada. O nome dele é Jordan Catalano. Ele reprovou, duas vezes. Uma vez que quase toquei seu ombro no meio de uma galera. Ele está sempre piscando os olhos, como se doesse olhar as coisas". O sucesso de Leto foi imediato, e ele até hoje é considerado o primeiro amor de muita menina. Gosto de lembrar desse casal por causa de uma cena em especial, na qual Jordan assume seu relacionamento com Angela na frente de toda escola apenas segurando sua mão, num momento perfeito embalado pela linda Late At Night. Essa música me manda para o além das nuvens e me faz querer ser adolescente naquele período.
Um dos rostos mais marcantes da década de 90 foi o de Claire Danes, que alguns boatos acusam de ter sido o pivor do final da série, já que estava prestes a investir em sua carreira no cinema (quem não recorda do lindo Romeo + Juliet, de 1996?). Enfim, creio que a série acabou devido a entrada do professor gay na história, já que lá existe essa proibição de homossexuais em ambiente escolar (escutei por alto, prometo pesquisar detalhadamente). My So Called Life apresenta um conteúdo bem aberto, com frases bem elaboradas, onde a protagonista fala sobre a vida, as escolhas e as mudanças de uma adolescente cheia de questionamentos.

Um seriado com conteúdo inteligente, que vai além do mero entretenimento.

Nenhum comentário: