sábado, 31 de dezembro de 2011

Doce Dezembro

O mês está seguindo seu curso, está acabando como qualquer outro, e mais um ano está prestes a ter seu início. Em dias como esse, em que acordo às duas horas da tarde e durmo às três da madrugada, vos escrevo apenas para brindá-los com mais momentos bizarros da minha vida. Como por exemplo com coisas que acontecem apenas comigo. Meu relógio biológico anda alterado, estou com muito tempo devido às férias, sendo que o mesmo não estou aproveitando como deveria. Quero pular, quero gritar, quero viver férias loucas com meus amigos, mas o mais provável é que eu fique aqui em casa 90% desses dias. Para onde foram as festas do pijama, os dias na casa de familiares, a minha coragem em arrumar meu quarto? Para onde, ó Kami Sama?
Você o matou com questionamentos tão difíceis. - Sr. Popo
Dezembro, por mais que pestanejem, é o mês mais incrível de todos. É o mês onde você encontra a felicidade à venda num pote ou não. Dezembro é o mês em que eu nasci, em que costuma cair neve em algum lugar do planeta, em que todo mundo costuma ser solidário (tá, nem todos) e em que o vermelho brota como mágica e invade o mundo. Dezembro é doce, tem várias músicas que homenageiam-o, e um filme com seu nome no título. É o mês em que assisto filmes incríveis e eternos. Sinto até saudades de recordar os 'dezembros' passados, em que estava assistindo algo, falando algo... Um dos filmes que mais me marcaram nesse período é o magnífico Edward Mãos de Tesoura. O assisti pela primeira vez na Sessão da Tarde, nem me recordo que ano ou mês fora, mas naquele tempo só conseguia ver um jovem estranho, tímido e pálido que fora arrastado de seu mundo solitário para o mundo "real". Minha visão distorcida das coisas foi mudando, e continua mudando, sendo que foi nesse período de transição que re-assisti esse clássico dos anos 90. A história que a princípio parece absurda, deu um toque de fantasia a muitas crianças daquela época... Sendo que na época de seu lançamento eu ainda não era nascida.
Fogos já estão sendo soltados pelo bairro e pelo mundo. Sinto dizer-vos que o ano de 2011 está com suas horas contadas. Não faz mal, já que próximo ano estaremos aqui, no mesmo monitor, na mesma escrivaninha e no mesmo blog. Que a virada de ano seja surpreendente para vocês! Aproveitem.

FELIZ 2012!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Mau humor... Até que enfim!

Não quero que este torne-se um daqueles tristes blogs com frases, textos e músicas de pessoas que estão querendo cortar os pulsos. Não estou querendo fazer nada disso, calma! Mas estou muito desanimada... Por infinitas razões. Se você fizer parte de alguma dessas famílias coloridas, e achou que eu fizesse parte de alguma delas, feche agora essa janela. Estou de mau humor, triste e pensando em criar morada no meu quarto. Seria bom, mas meio que complicado, já que teria que ficar sem tomar banho durante o dia e correr como um ninja para roubar comida da geladeira. Sei que este blog merece um post animado, eu até que estava pensando em fazer um TOP, mas aconteceu tantos aborrecimentos em poucas horas que decidi desabafar.
O que estou lendo ultimamente? Estou com dois livros para ler, um deles já comecei e se chama 'A Garota da Capa Vermelha'. Sim, tem a ver com o filme. É o roteiro em sua versão 'romanciada', ótimo para aqueles que gostam de assistir o filme após ler o livro. Bem, é isso que farei ao acabar.
Anime que estou assistindo? Graças a um tweet da diva @polimosa, hoje estou apaixonada pelos pequenos pinguins de Mawaru Penguindrum. É uma história fofa, que fala de destino, amor, amor e amor. Tá, parei! Tem aquela comédia boba, tem uma abertura graciosa e... Deixa pra falar tudo isso e mais na análise!
Música que não paro de escutar? Várias, mas posso citar como as principais Jar of Hearts, da meiga Christina Perri, e Oração ao TempoCaetano Veloso. A primeira me lembra muito aquelas canções de menininha triste, sabe? Viciei por questões pessoais mesmo, já que uma canção triste não arranca pedaço.  Já a segunda, gosto pelo simples fato de gostar! Desde a novela Duas Caras que a escuto (não, não tem a ver com A Vida da Gente), então é meio por me identificar com ela. Queria tê-la escrito. Recordo-me de uma aula em que comentei sobre essa música em sala, sobre a maneira que o refrão é cantado, maneira essa que faz lembrar os posteiros do relógio.

Pronto, acho que me sinto um pouco melhor! Próximo post espero alegrar os minutos de meus visitantes, então até mais. 

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Banjo-Kazooie

Falando de infância e de lembranças, me veio à mente um jogo do Nintendo 64 que eu e meu irmão amávamos: Banjo-Kazooie. Tá, ainda amo! Bom, quando ele comprou, olhei a imagem no cartucho e fiquei pensando algo tipo "um urso com um pássaro vermelho na mochila?", mas logo na primeira fase me diverti tão ou mais do que quando joguei Super Mario 64. Como nunca comentei sobre jogos aqui vocês devem achar que não jogo nada, realmente não estão errados, mas joguei muito na minha infância, com meu N64 azul (realmente só parei quando o analógico do controle quebrou haha). Hoje tenho um DS, mas não é a mesma coisa, já que não tem a emoção que só os sopradores de cartucho conhecem... Bons tempos!
Logo de cara, assim que começamos a jogar já ganhamos uma peça dourada de um quebra-cabeças, mas engana-se quem achar que será sempre assim. Como em qualquer jogo, quanto mais avançado você estiver, mais difíceis serão as formas de se conseguir a tão sonhada peça dourada. E para quê ela serve? Bem, cada fase tem uma porta, sendo que ela só será aberta se preenchermos um quebra-cabeças com a imagem da fase. Sério, tem quebra-cabeça que temos que preencher praticamente todo e, como na maioria das vezes não temos peças suficientes, começamos a lembrar de desafios que não fizemos nas fases anteriores, para assim ganharmos novas peças e seguirmos adiante.
Além das peças douradas, no jogo ainda encontramos várias coisinhas que nos ajudam a ganhar desafios e a se deslocar pelas fases. São elas as penas vermelhas, que servem para que, assim que encontremos uma espécie de plataforma com desenhos de penas, voemos; as penas douradas, que são mais raras que as vermelhas, e que servem para nos dar uma certa invencibilidade; as notas musicais, que, assim como as peças douradas, servem para abrirmos portas dentro das fases (como se fossem mini-fases); os ovos azuis, que servem para serem atirados por Kazzooie como se fossem balas, sendo que é ideal para matar alguns monstros à distância; os ovos coloridos, que não sei pra que servem, mas tem ligação com uma chave; e os passarinhos coloridos de cada fase, que nos dão uma peça dourada. O legal no jogo são as dificuldades e facilidades... As plataformas que nos fazem pular e voar, a oca do xamã Mumbo Jumbo, que ao apertarmos um botão em formato de caveira, ele nos transforma em animais ou em objetos animados, que nos ajudarão a nos deslocar por locais inacessíveis para o Banjo em seu tamanho normal. A maior decepção que tive foi na fase Mad Monster Mansion, quando o xamã me transformou em abóbora (eu sou o Banjo, ok?), já que como a fase tem o estilo de terror, pensei que seria transformada em um fantasma ou coisa do gênero.
Primeira transformação do jogo: formiga!
A coisa que me fazia ter pânico no jogo (sééério) era o bendito tubarão que aparecia toda vez que eu caía no mar. Imagina você caindo no mar e um tubarão atrás de você. Tá, e agora imagine uma musiquinha como aquela do filme do Spielberg. Como no mar você podia subir em umas caixinhas que ficavam boiando, ou era uma luta pra subir nelas a tempo, ou o tubarão ficava te encarando. Terror puro! rs
Fases inesquecíveis? Sim! Cada uma tinha um estilo típico, algumas bem clichê, como a fase do deserto, outras bem grandes e criativas, como a Click Clock Wood, que se passa em uma árvore gigante, na qual podemos jogar nas quatro estações do ano. É como se estivéssemos em um bosque com quatro portas ao redor, em cada uma que estramos encontramos o mesmo lugar, só que em estações do ano diferentes. Essa fase é a minha favorita pela extensão e criatividade.
E a história por trás de tudo isso? Bem, Banjo e Kazooie tem a missão de resgatar Tooty, a ursinha com cabelos loiros, irmã de Banjo. Relação com Mario 64? Muitas, ao começar pelos atalhos do controle, fases em estilo parecido (quem não se lembra da parede que ao atravessá-la encontramos a fase do deserto?) e o leve clichê de resgatar a donzela.

Enfim, esse é o jogo que mais amo! Pera... Pokémon Stadium 2 dá empate!

sábado, 24 de dezembro de 2011

No. 6 - Parte II

Oi. Como a demora pela vontade de postar está tão grande, acho que seja devido a falta de criatividade momentânea, decidi tirar dos rascunhos este post, que é sobre o meu amado, querido e show, No. 6. Inicialmente desacreditado, a animação hoje ocupa o topo da lista de melhores animes do ano, sendo que com muitos méritos. Pronto, acabei com minha descarga de espírito! A seguir a análise final de No. 6 (clique aqui pra ler a primeira parte).
No 8º episódio, Nezumi leva Shion pra conhecer um dos criadores de No. 6, que agora vive isolado em um lugar praticamente inacessível. Ah, e ele, assim como Shion, também foi atacado por uma abelha parasita. Nesse episódio descobrimos algumas verdades sobre a criação de No. 6 e sobre o lugar onde Nezumi vivia, antes de No. 6 invadir e destruir. Nessa terra, onde Nezumi nasceu, era o lar de nativos, todos adoradores de Elyurias. No. 6 invadiu esse lugar para tentar obter o poder de Elyurias, queimando seus habitantes, sendo que o único sobrevivente foi Nezumi. Esse episódio é um dos mais importantes para a compreeção da história, então é bom assisti-lo com atenção.
O episódio seguinte, 9, é repleto de drama e segredos. Após descobrirem mais informações sobre o reformatório, Shion e Nezumi são atacados por tanques de No. 6, que estão "limpando" o Distrito Oeste. Todos os capturados são levados para o reformatório, sendo este o plano de Nezumi para entrar lá e resgatar Safu. Achei esse episódio interessante porque nele ficamos sabendo que o asilo para onde a avó de Safu foi levada é na verdade uma câmara de execução. Esse anime me faz pensar sobre as mentiras que percorrem nosso mundo real, onde a sede por poder pode mudar as pessoas, onde a humanidade é tratada como resto... Enquanto isso, no reformatório, Safu começa a "receber" Elyurias e sua leitura vital fica vermelha. O episódio termina com todos sendo jogados como lixo nas instalações do reformatório.
Já dentro do reformatório, Shion, que sempre foi doce e esperançoso, o que Nezumi sempre "repudiou", começa a passar por uma mudança, devido ao choque com a cruel realidade. Ver vários corpos empilhados como se fossem lixo deixou Shion inicialmente frágil e confuso, porém aos poucos ele vai mostrando seu lado desiludido e triste, lado esse que Nezumi se arrepende de estar querendo ver. Enquanto eles entram por um lado, Inukashi e Rikigai entram disfarçados e invadem a sala de controles, ajudando assim os dois a entrarem sem serem notados pelo sistema de segurança. A invasão é descoberta e os dois garotos ficam encurralados. Sem ter por onde sair Nezumi entra no fogo cruzado, mas acaba sendo atingido na perna. Quando parece ser o fim, Shion atira no militar que está prestes a matá-lo, tirando sem piedade sua vida. É nesse momento que Nezumi arrepende-se de ter transformado Shion naquela pessoa fria e começa a chorar.
A seguir, guiados pela voz de Safu/Elyurias, eles estram em um compartimento onde a encontram ao lado de cientistas mortos. Aqui então descobrimos tudo, desde a conspiração, até o porque de Safu ter sido sequestrada. Enquanto os três conversam, durante as comemorações do aniversário de No.6, várias pessoas morrem devido às abelhas parasitas. O que tiro de conclusão deste anime, que não irei revelar o final incrível, é que o mundo perfeito, por mais incrível que ele pareça no início, sempre será uma utopia. Ah, e como posso dizer... Amei as cenas yaoi!

Até a próxima!

Feliz Natal, meus caros!

Estava planejando para hoje, Natal, um vídeo com alguns dos meus momentos natalinos favoritos, sendo que tudo isso seria colocado em um vídeo. Como  planejei isso ontem, e hoje o programa me deu muita dor de cabeça, eis que não deu certo (maldito GC). Para não deixar esse dia em branco vim aqui desejar-lhes um feliz Natal, com muito peru e muitos presentes. Meu Natal passarei em casa e amanhã, data oficial da comemoração, irei visitar meus bambinos, minha avó e sair com a Mille (que minha alma seja perdoada por tal feito, e que eu mesma me perdoe futuramente).

Beijoooones!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

2010 vs. 2011

O que seria de mim, nesse final de ano, se não fizesse um balanço de 2010 e de 2011 para, assim, tirar as melhores coisas e desejá-las em dobro no ano que está chegando... (?) Para começar gostaria de ressaltar que 2010 foi um ano bem ímpar na minha vida, mas o único motivo é por ele ter me trazido coisas muito ruins. E para a batalha de anos, começarei com 2010:

2010

Ano marcante? Sim. Como já expliquei, esse ano marcou minha vida de uma forma nunca antes vista. Um ano que tinha tudo para ser ilustre teve como foco as desgraças e desilusões. Pra não ser de todo ingrata, acho que poderia acrescentar algumas risadas abafadas, algumas felicidades rápidas, mas isso passou tão rápido que o resto do tempo foi marcado por coisas antes inéditas na minha vida. Começo a citar os furtos. Nunca em minha vida tinha sido assaltada, mas justo nesse ano minha cota terminou com três abordagens. Esse período também me marcou nas partidas de coração, nos cochilos durante a aula e nas lágrimas no chuveiro. Coisas assim fizeram desse ano o mais estranho e menos feliz de toda minha caminhada até agora. Benefícios que ele me trouxe? Experiência. Nada melhor que este ano para me tornar na pessoa que sou hoje, muito menos sonhadora, mais realista, mais ou menos responsável e mais cuidadosa. Tá, foi em 2010 que minhas amizades tornaram-se mais fortes.  :)

2011

Deixei meus amores, meu Ensino Médio, meus professores, e fui direto pro cursinho, onde reencontrei o Júnior (procure ele na foto acima), onde passamos a conviver direto, sendo que até brigamos e passamos um bom tempo sem nos falar (mãe diz que é porque ele é cabeça dura igual a mim rs). Temos algumas coisas em comum, sendo uma delas o amor pela História, curso pelo qual nós dois estávamos nos dedicando a entrar. Bom, prova vai, prova vem, ambos entramos nesse bendito curso. Hoje sou universitária, vivi o momento mais feliz da minha vida nesse ano, sendo que até fui totalmente melada de tinta no mesmo, e conheci pessoas valiosas, com as quais continuarei convivendo próximo ano. Deslizes? Que ano não me presenteou com eles, né? O que ganhei neste ano foi vida nova, na qual quero crescer ainda mais como pessoa... Estou em processo!

2012?

Sei que em 2012 o mundo vai acabar (sei?). Estarei pronta até lá. Se for como nas versões americanas, criarei um submarino amarelo, ficarei a deriva e quando tudo estiver passado retornarei à superfície e ficarei só eu neste planeta. Se ficarei triste por estar só? Claro que não, já que levarei comigo uma bola Wilson, na qual farei um rosto com o meu sangue. Sou ou não original? risosinternos


Hasta la vista, babies!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Meu aniversário!

Bem, gatinhos e gatinhas, estou aqui só pra relatar que hoje, 18 de dezembro, estou comemorando 18 anos de vida. Parabéns pra mim! Meu dia foi parado, a noite foi bem corrida, e o que posso dizer de tudo isso é que estou incrivelmente feliz. Não estou com muita paciência de digitar, então ficaremos só com isso, mas atenção: EM BREVE POSTAREI UMA COISA BOMBÁSTICA!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

I Love Us

Estou meio perdida esse últimos dias... Tanta prova e trabalho que minha cabeça está mais parecendo aquelas máquinas a vapor do século XVIII. Pois bem, estou sem tantas novidades como eu gostaria de contar, mas tenho um aviso: DOMINGO É MEU ANIVERSÁRIO! O que farei? Não sei ao certo, porque na verdade nunca sei o que fazer neste dia. Sempre, quando menos espero, alguém me liga me chamando pra qualquer canto... E assim ficarei no aguardo, que algum anjo me salve da chatice de ficar em casa no dia mais importante do ano... Pra mim! Enquanto espero o grande dia chegar, que tal assistir um filminho? É, estou aqui paparicando o meu querido 500 Dias com Ela. Tá que assisti esse filme trilhões de vezes, mas ver meu lindo Joseph Gordon-Levitt escutando The Smiths no elevador com aquele carinha de cachorro abandonado não tem preço.
Gosto desse filme por ele propriamente não ser esse filme romântico em que os dois terminam juntos no final. Estou passando pela fase em que desacreditar no amor é a melhor saída. Melhor parte do filme? Quando ele descreve ela do jeito mais apaixonado possível e depois utiliza os mesmos adjetivos, apenas adicionando a palavra 'odeio' antes.
Ultimamente ando meio Summer, sabem? Hoje, conversando com um amigo, chegamos a conclusão de que esse nhãnhãnhã chamado relacionamento é muito nhã. Tá, isso até pode parecer tosco, mas até que faz sentido. Ando até com um pouco de medo de perder alguém valioso pra mim por causa dessas coisas (não citarei direito quem é pois pode ser que ele leia esse post), sendo que é melhor ser uma eterna 'Summer', escritora de posts e rabiscadora de cadernos alheios. Fui reler algumas coisas que escrevia no caderno do meu Ensino Médio e me deparei com frases de 'saudade' na mesma página em que copiei o conteúdo de eletrólise. Não sei bem de que me serviu esse caderno, mas atualmente ele é um documento que levo junto a mim, nas minhas tranqueiras de papel mofado. Esse caderno serve pra mim mesma refletir sobre minha babaquice de um ou dois anos atrás. Apanhei tanto de lá pra cá, chorei tando nesse meio tempo, sendo que o que mais quero agora é tirar férias de tudo isso. Analisar uma fase de sua vida tomando como base um filme é uma ótima maneira de se começar um interrogatório interno.
Se estou com saudades desse meu tempo de colégio? Não. Continuo vendo minhas amigas e meus manos (menos o Lucas, que sumiu, sendo difícil de encontrar até no GC), ligando todo dia pra Jade, sorrindo e conversando todo dia com o Júnior, que entrou junto comigo na facul e hoje é meu irmão de todas as horas, da Isa que anda pra lá e pra cá me chamando pra ir pra casa dela assistir um filme, e chamando a Priscila de catiroba toda vez que saímos. Pera, não vou mais citar ninguém, já que vou esquecer de muitos u.u O que quero dizer nessas poucas palavras é que apesar de estar razoavelmente longe deles, nunca me separarei. Estou vivendo uma fase tão única na minha vida, saborosa e inesquecível que não vale a pena gastar esse tempo pensando em saudades, coisa que não tenho, pois sempre tenho aqueles que amo junto de mim. Ah, e falar de amores, amor mesmo, ainda ando aquele caco. Sou meio estática (termo correto?) quando o assunto é amor de amores, mas se é pra resumir tudo em uma única frase: "We're just friends". E um ano depois, cá estou...
P.S.: A partir daqui tive que alterar o texto, já que comecei a falar de uma coisa triste... ok. O título do post é em homenagem à lindinha da Regina Spektor, e as imagens e a inspiração me vieram do filme 500 Days of Summer.

Até!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Queridos, cheguei!

Olá, queridos leitores. Como estão? Aqui estou para dar minhas boas vindas a dezembro e dizer que o blog voltou às suas atividades normais. Como as provas que mais me preocupavam já passaram, (ainda tenho algumas, ok?), e as mesmas estavam exigindo minha total dedicação, eis que fiquei um bom tempo sem postar algo aqui. Não sei que peso este espaço tem para os leitores, mas estava sentindo muita falta de escrever meus pensamentos (estranhos, por sinal) neste blog. Ah, e para este post não ficar muito meloso, quero falar de algumas coisas, só para entreter este momento emotivo.
Primeira coisa: acho que estou apaixonada. Por quem seria, afinal? Não, não é nada disso que você está pensando! Estou encantada com um personagem (mais um para a minha listinha, diga-se de passagem). Sebastian Michaelis é o nome deste novo ser encantador que está ilustrando meu monitor ultimamente. Bom, não irei comentar muito sobre Kuroshitsuji, pois pretendo, quando as férias chegarem e quando eu terminar de assistir a 2ª temporada, fazer uma daquelas análises costumeiras. O que posso falar deste mais que simpático mordomo demônio é que ele quer comer a alma de seu 'bo-chan', e não sabemos direito o que ele sente em relação a tudo. Ah, e quando ele encontra um gato age como minha tia com os seus. Ele tem uma coisa no olhar... Personagem muito bem construído!
Não ligue para essa minha descrição sem pé nem cabeça... Estou tão entusiasmada que misturo tudo e acaba não saindo nada. Estou um pouco gripada, minha saúde está debilitada e este mês, mais precisamente dia 18 de dezembro, estarei completando 18 anos. Se estou entusiasmada para ser maior de idade? Claro que não! Quero ser uma Alice no mundo, mas as coisas se misturam com tudo e, por certo, já serei em breve uma adulta. Com dezembro vem, além do Natal, as festas de final de ano e, para não ser diferente, estou preparando algo para este momento mágico. Bem, como 2012 é o provável ano onde o mundo acabará (não que eu acredite), que tal acabar 2011 com algum post incrível pra ficar de recordação? É isso que estou planejando!

E como a vida é bela, só vim aqui fazer este anúncio. Até próximo post!