quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Enciclopédia de animais - Detalhes sobre alguns animais do filme "Animais Fantásticos e Onde Habitam"

Olá a todos e bem vindos ao meu blog. Este post é direcionado ao primeiro filme da saga Animais Fantásticos, então se você não gosta muito do universo mágico criado por J. K. Rowling, aconselho buscar meus outros posts (os mais recentes tratam sobre dramas coreanos e PC games, enquanto os mais antigos trazem indicações de mangás e animes japoneses). O conteúdo desse espaço anda bem diversificado ultimamente, principalmente devido às mudanças na minha rotina, mas mesmo com as mudanças espero que o novo conteúdo continue agrandando.

Imagem: @raiomara (instagram)

J.K. Rowling, criadora do universo Harry Potter, sempre foi além dos livros, prova disso é o material inédito que vez ou outra é publicado no site Pottermore. Particularmente, não se esperaria menos. Além dos sete livros sobre a história do bruxinho Harry, a autora escreveu três pequenos livros: Animais Fantáticos e Onde Habitam, Quadribol Através dos Séculos e Os Contos de Beedle, O Bardo, ambos textbooks, ou seja, livros didáticos pertencentes aos alunos de Hogwarts (no caso, foram publicados para parecerem livros que existem dentro da história).
Animais Fantásticos e Onde Habitam é um tipo de enciclopédia. O livro, publicado em 2001 e escrito pelo magizoologista Newt Scamander, traz várias informações sobre a definição do que seria considerado um "animal" no mundo mágico, além de descrições detalhadas sobre os animais catalogados pelo autor em seus anos de viagens e pesquisas. Ele é mencionado pela primeira vez no livro Harry Potter e a Pedra Filosofal, pois é um dos livros obrigatórios para os alunos de Hogwarts.
Quadribol Através dos Séculos é um livro escrito por Kennilworthy Whisp (outro pseudônimo da J. K.) que trata sobre a origem do quadribol, desde o momento que ele "sem querer" foi inventado, até o momento que ele se tornou um esporte, com regras. É um livro repleto de descrições e com alguns desenhos que mostram a mudança no tamanho dos aros do jogo, e até mesmo uma explicação detalhada sobre cada uma das bolas. Ele foi mencionado pela primeira vez também no primeiro livro da saga, na parte em que Hermione conta que antes das aulas de voo na vassoura ela leu esse livro buscando dicas de como voar.
Talvez o mais famoso dos três livros seja Os Contos de Beedle, O Bardo, pelo mesmo ter aparecido no último livro de Harry Potter e por nele conter O Conto dos Três Irmãos. O livro contém, além do conto anteriormente mencionado, alguns contos infantis do mundo bruxo. A seguir um vídeo do "O Conto dos Três Irmãos", retirado do filme "Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I", para quem quiser recordar.


Obviamente, como o próprio título me entrega, falarei aqui sobre algumas criaturas que nos são apresentadas no primeiro filme da saga "Animais Fantásticos". Agora que sabemos que serão lançados cinco filmes dessa saga, não temos como prever quais animais listados no livro aparecerão na telona, mas podemos tentar saber mais sobre os animais que aparecem no primeiro filme do spin-off. No livro entendemos que os animais que Newt Scamander estudou foram encontrados em várias partes do mundo, mas no livro, além de terem sido estudados, muitos deles vivem dentro de uma maleta pertencente a Newt. No caso, a maleta dele, assim como a bolsinha de contas da Hermione, foi enfeitiçada com o feitiço indetectável de extensão, que na prática amplifica o interior de determinados objetos sem afetar o exterior, ou seja, por fora é uma maleta comum, mas dentro dessa bagagem existe um outro "mundo" onde os animais vivem e são protegidos.
Segundo o filme, os animais mágicos são mal interpretados, principalmente por bruxos, e Newt, como pesquisador e amante desses bichos, busca em seu livro fazer com que os bruxos aprendam a lidar com esses animais. Conhecendo esses animais, o bruxo pode entende-los melhor, saber como se proteger em caso de alta periculosidade (dragões, por exemplo) e aprender a como esses animais podem ser úteis.

Pelúcio (Niffler):
Classificado como um animal que um "bruxo competente pode enfrentar". O pequeno e esperto Pelúcio foi um dos destaques do filme, e todas as suas  cenas envolviam alívio cômico. Visualmente ganhou um aspecto quase que semelhante a um ornitorrinco. Fofo, preto, é um animal que é capaz de se afeiçoar, mas mesmo assim não é indicada a criação de pelúcios em casa.
Esse animal faz tocas subterrâneas e tem afeição por tudo o que brilha, principalmente por joias. Os duendes possuem criação de pelúcios com a intenção de fazê-los cavar extensas trilhas na terra em busca de tesouros (típico de duendes).

Erumpente (Erumpent):
Classificado como um animal "perigoso", ou seja, "que apenas um bruxo perito pode enfrentar". É um animal muito parecido com um rinoceronte. De origem africana, tem o couro cinzento e resistente (capaz de repelir feitiços, inclusive), e um chifre afiado na ponta do nariz.
Normalmente não ataca se não for provocado, mas quando ele investe contra alguém os resultados podem ser catastróficos. Seu chifre pode perfurar qualquer tipo de material e, além disso, contém um fluido que ao ser injetado em um determinado objeto é capaz de fazê-lo explodir.

Seminviso (Demiguise):
Classificado como um animal "perigoso", ou seja, "que apenas um bruxo perito pode enfrentar". É um animal que pode ser encontrado no extremo oriente, ou seja, em países como China, Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, dentre outros. Existem muitos nas regiões já mencionadas, mas o seu poder de invisibilidade os deixa quase impossíveis de serem encontrados. O seu corpo é muito peludo, e seus fios são muito valorizados no mercado, tendo em vista que os mesmos podem ser utilizados na confecção de capas da invisibilidade.

Tronquilho (Bowtruckle):
Classificado como um animal "inofensivo" e que "pode ser domesticado". Os tronquilhos são descritos no livro como uma espécie de protetores da floresta. O tronquilho, como o próprio nome revela, visualmente lembra um tronco ou um galho, o que faz com que ele seja muito difícil de ser encontrado, seja por conta da camuflagem ou seja por seu tamanho, que na média seria de, no máximo, vinte centímetros. O tronquilho é uma criatura aparentemente amigável, mas quando tem seu habitat ameaçado é capaz de ser bem feroz. Podem ser encontrados na Inglaterra, Alemanha ou na Escandinávia.

Gira-gira (Billywig):
Classificado como um animal que um "bruxo competente pode enfrentar". É um inseto de cor azul-safira, muito veloz, nativo da Austrália. Ao contrário dos insetos comuns, suas asas saem de sua cabeça e ficam girando, em movimentos que lembram os de um helicóptero (por isso o nome "gira-gira"). Na extremidade oposta de seu corpo existe um ferrão, característica que lembra muito a abelhas. Sua picada tem como efeito colateral a levitação, ou seja, o bruxo ou trouxa que for picado por esse inseto começará a levitar, reação essa que pode durar dias. Muitos bruxos australianos buscam capturar esses insetos na tentativa de serem picados e assim flutuar.

Fiuum (Fwooper):
Classificado como um animal que um "bruxo competente pode enfrentar". É uma ave de origem africana que tem como principal característica as suas penas coloridas (podem ser laranja, rosa, verde clara ou amarela), Suas penas são utilizadas na fabricação de canetas de luxo, e além disso essas aves poem ovos coloridos (no caso, não sei se os ovos são valorizados no mercado ou são de venda proibida). Aparentemente dóceis, essas aves possuem um canto muito bonito, porém se for muito escutado pode levar o ouvinte à loucura. Uma vez um bruxo chamado Úrico, o Excêntrico, tentou provar que o canto do fiuuum não tinha esse efeito e escutou o mesmo durante três meses ininterruptos. Infelizmente ele não conseguiu o seu objetivo, pois chegou na reunião do Conselho de Bruxos pelado e com um texugo morto sobre a cabeça.
Para evitar mais problemas envolvendo a loucura dos apreciadores desse animal ele é vendido com um Feitiço Silenciador.

Oraqui-oralá (Diricrawl)
Esse animal fantástico foi diretamente inspirado em um animal já extinto chamado "dodô". Proveniente da ilha Maurício, uma ilha próxima a ilha de Madagascar, no sul da África. A
incapaz de voar, a ave sempre foi presa fácil para os humanos que passavam pela ilha, e com isso a matança foi exagerada. No mundo de J. K. Rowling, a ave, assim que ameaçada, desaparecia em suas penas e aparecia em outro local, o que levou os humanos a crerem que o animal foi extinto. A comunidade bruxa, vendo que o fato dos trouxas acreditarem na extinção do animal despertou uma preocupação com a extinção de outras espécies no planeta, decidiu proteger a informação e não divulgar para os trouxas que os animais ainda estão vivos.
É uma pena que a extinção desses animais realmente aconteceu e que se deve principalmente à caça predatória. No caso, além da matança, vários foram exportados para a Europa e, devido às péssimas condições de transporte, muitos chegavam mortos no destino.

Claro que ainda faltaram muitos animais a serem comentados, mas ao escrever notei que o texto estava ficando longo demais. A "parte II" sairá em breve (ou não, dependendo da minha disposição) e poderá abranger animais do universo de Animais Fantásticos como também animais que só apareceram até agora nos livros/filmes de Harry Potter.

Até a próxima semana!

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo [Análise final]

2016 foi o ano dos dramas, ao meu ver. Acompanhei ótimas interpretações, xinguei muito os vilões e virei várias noites por causa de alguns casais. Os dramas (ou doramas) coreanos me surpreenderam positivamente, alguns mais do que outros, por mostrarem tramas diferentes daquelas que vemos em novelas ocidentais. Claro, assim como as ocidentais, as "novelas" coreanas também possuem seus clichês, mas mesmo assim conseguem sempre me surpreender. Não é atoa que termino um episódio de quase uma hora e ainda tenho a disposição de clicar no próximo e assisti-lo até minha vista cansar.

O post de hoje tratará sobre um desses dramas, no caso, O DRAMA que conseguiu me roubar dois meses de suspiros e que, mesmo após o seu final, ainda não conseguiu sair nem da minha cabeça e nem do meu coração. Assim como no post anterior, venho escrever sobre o drama 'Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo', mas dessa vez buscarei me aprofundar mais na história, com uma análise mais precisa, já que o drama já foi finalizado (infelizmente) e posso ser mais objetiva. Ah, e obviamente esse texto contém SPOILERS.


Antes de começar essa análise, faz-se necessário mencionar o que o drama em questão aborda. Moon Lovers conta a história de Hae Soo (ou Go Ha Jin), uma garota do século XXI que acidentalmente se envolve em um acidente e que por conta disso vai parar no período da dinastia Goryeo, na Coréia (918 - 1392). Ela surge nessa época ainda durante o reinado de Wang Kon, vulgo imperador Taejo, o primeiro dessa dinastia, e vive nessa época até o reinado do quarto rei de Goryeo, Wang So, Gwangjong. A história desse drama foi adaptada de um romance chinês, mas buscou-se abordar, ao invés da família real chinesa, as intrigas na família real coreana.


'Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo' é um drama coreano que foi transmitido pela emissora coreana SBS e também em vários outros países da Ásia. Na América ele foi "transmitido" semanalmente pelo Dramafever e, para os pobres de plantão (como eu), pelos fansubs Kingdom e Meteor Dramas. Apesar da mega produção e de ser um dos dramas mais caros a ser produzido, a audiência do drama na Coréia foi relativamente baixa, porém internacionalmente o drama foi um sucesso, principalmente na China, o que pode ser justificado pelo fato do drama ser baseado em um romance chinês. Essa baixa audiência na Coréia fez com que duas edições da novela fossem ao ar. Como muitos coreanos estavam preferindo assistir o drama "Love in Moonlight", que estava sendo transmitido no mesmo horário, e optando por ver Moon Lovers na versão disponível na internet, a SBS fez com que as duas versões (tv e internet) ganhassem algumas edições diferentes. Ao meu ver a versão da SBS ganhou menos cortes no que se refere às melhores cenas, então para quem quiser assistir a essa versão eu recomendo o download do drama no Meteor Dramas.

Enfim, Moon Lovers não é um drama qualquer, e talvez seja por isso que tenha chamado tanta atenção do público ocidental. Para mim, o que mais me atraiu no drama foi o casal principal, principalmente no que se refere à química entre os atores Lee Joon Gi e Lee Ji Eun (IU). Não existe uma palavra no meu vocabulário que possa resumir a atuação do Joon Gi como Wang So nesse drama, pois "maravilhoso" e "incrível" são adjetivos muito vagos para descrever as expressões faciais desse homem. Ele conseguiu me ganhar já na primeira cena dele no cavalo, chegando em Songak durante o eclipse (aquela imagem é maravilhosa), e quanto mais conhecia o personagem e percebia o que estava por trás dele, mais me apaixonava. Alguns dizem que ele levou o drama nas costas, mas eu não acho isso. Ele como personagem principal tinha que se destacar mesmo, e isso ele fez com louvor.

O personagem exigia uma mistura de homem com menino. Wang So sempre foi maltratado pela mãe, que nunca o viu como filho em detrimento dos demais irmãos, e além disso ele carregava consigo uma cicatriz no rosto, cicatriz essa que ele buscava esconder com o uso de uma máscara. Obviamente, ele era mal visto por onde ia, e isso acabou tornando o personagem bruto, como um mecanismo de auto defesa. Joon Gi soube mostrar isso muito bem apenas com expressões, e isso ganhou de cara a minha atenção. É o típico bom bad boy.


No que está relacionado à Lee Ji Eun, ou simplesmente IU, só tenho que rasgar elogios. Ela nunca foi tão linda como na pele de Hae Soo, e assim que a personagem exigiu mais dela, como nas cenas do episódio 11, ela soube se sobressair e mostrar uma atuação impactante. Eu menciono o episódio 11, porque é o meu favorito. Nele tudo é jogado na nossa cara e a real identidade do drama começa a ser mostrada ao público. O que torna esse episódio mais marcante são os acontecimentos que acompanhamos nele: em uma hora o drama que vinha numa crescente quase de conto de fadas muda completamente, se tornando mais sombrio.


Sobre o casal principal, novamente devo falar sobre a química. Nos primeiros episódios o triângulo amoroso formado pela protagonista e os dois príncipes é super disputado, principalmente pelo fato da protagonista, Hae Soo, se apaixonar primeiro pelo antagonista da história, Wang Wook (8º príncipe). O 4º príncipe, Wang So, é de cara mostrado como o principal, mas a relação entre ele e a protagonista é bem turbulenta no início, quase apagada em contraste à relação da protagonista com o outro príncipe. Esse início do drama, que, querendo ou não, é lento, pode justificar a baixa audiência na Coréia. Sabíamos quem seria o par romântico da mocinha por conta do pôster e das imagens promocionais, mas na tela a evidência estava toda no romance platônico entre Hae Soo e Wang Wook.


Entretanto, após o episódio 13, para ser mais exata, Wang Wook já não ameaça mais o relacionamento entre Hae Soo e Wang So. Aliás, romanticamente não é mais uma ameaça, porém como o personagem acaba se convertendo no principal vilão da história, ele ameaça o relacionamento deles de outra forma, mas não chega a ser encarado novamente como um possível par da protagonista. Novamente falando do episódio 11, o que falar da cena mais memorável do drama, e que mostra claramente a mudança no coração da mocinha: Wook virando as costas para ela em um momento de precisão e So, quem ela teme, sendo o único a ficar literalmente ao seu lado na chuva.


Saindo um pouco do casal principal, ao todo fomos agraciados com mais dois casais: Wang Eun com Park Soon Deok e Baek Ah com Woo Hee. Esses dois casais não ganharam muito tempo em cena, mas ganharam de cara o coração da audiência. O que tenho a falar sobre os três casais da trama é que eles nos envolveram bastante, mas no final todos terminaram em tragédia. Basicamente, esse é um dos diferenciais de Moon Lovers: eles nos enchem de cenas maravilhosas, casais apaixonados e no final resolvem acabar com eles quando os personagens estão vivendo os momentos mais felizes. No meu caso, sempre quando tudo estava muito bonito e feliz, eu acabava desconfiando...


Não quero falar detalhadamente sobre todos os príncipes aqui, pois são muitos. Moon Lovers é uma espécie de harém ao inverso no qual Hae Soo se envolve com a maioria dos príncipes da dinastia Goryeo. Dos oito príncipes (Moo, Yo, So, Wook, Wo, Eun, Baek Ah e Jung), quatro se apaixonam por ela e dois a veem apenas como amiga. O que posso dizer sobre esses personagens é que todos acabam lutando entre si, escolhendo lados, principalmente por causa da coroa (quem será o rei), e Hae Soo toma a frente, buscando evitar que nessa luta nenhum sangue seja derramado. Doce ilusão, apenas. O trailer estendido do drama esboça Hae Soo como uma heroína que, por saber mais ou menos o que vai acontecer, é capaz de evitar os trágicos acontecimentos, no caso, mudando a história. Tudo balela. Hae Soo é uma pessoa como qualquer um de nós, sem poderes, que cai em um mundo sanguinário, onde é matar ou morrer. Ela até tenta mudar alguma coisa, mas tudo acaba ficando contra ela, e isso é compreensível: o passado não pode ser modificado, e tudo o que ela faz apenas contribui para que tudo ocorra como deveria ocorrer.


Sobre a trilha sonora de Moon Lovers, podemos dizer que o drama em si trás faixas dos idols mais populares na Coréia, como "For You", do trio Baekhyun, Xiumin e Chen (EXO), "All With You", na voz da Taeyeon (SNSD) e "Be With You", do duo Akdong Musician, entre outros. Em comparação a outros dramas, Moon Lovers usa bem mais a trilha sonora em suas cenas, o que nos faz ficar mais envolvidas emocionalmente com determinados momentos, principalmente com as cenas românticas. A trilha instrumental, é bem forte, nos dando a impressão de realmente estarmos submergidos em Goryeo, com destaque para "Appassionata", que toca numa das minhas cenas favoritas (episódio 12).

No geral, foi isso. Moon Lovers é aquele drama que não dá pra explicar em algumas linhas. É uma mistura de fofura com sofrimento. Devo destacar que é um drama que começa mega feliz, mas que acaba nos fazendo chorar na medida que vamos nos adentrando no que é o palácio e o que as pessoas são capazes de fazer para conseguirem poder. Não é uma história de amor convencional, e por isso me chamou tanta atenção. O diretor fez o favor de excluir a cena final, então ainda estou engasgada com o final que foi exibido. Além do mais, segundo a boca miúda, um filme já foi gravado como uma continuação da série de 20 episódios. Se é apenas um boato? Só o tempo dirá.

Hasta.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo [Breve comentário]

Como vocês já devem estar cansados de saber, eu tirei um tempo do blog. Motivo? Falta de inspiração e pura preguiça. Normalmente não sou assim, mas acabei me deixando levar pela situação de estar de férias por tempo indeterminado. Bom, primeiramente, gostaria de salientar que estou um pouco por fora das atuais temporadas de anime e, pelo visto, ficarei sem comprar mangá por um longo tempo, deixando os números atrasados de dica para o meu aniversário e para o Natal. Deu pra ver que as coisas dentro de mim mudaram um pouco, o que acabará aos poucos modificando o tipo de texto que será postado por aqui.


Sem mais delongas, trago para vocês uma indicação/resenha de uma das séries que mais estou amando atualmente. Como ela ainda não foi concluída, no momento não posso dizer o que me espera, e muito menos se gostarei do final, mas deixarei meus mais sinceros comentários sobre a metade da série (até então foram liberados apenas 10 episódios de 20), pois estou afim de elogiá-la um pouco por aqui também.

Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo é um drama sul-coreano lançado em 2016, com 20 episódios no total. O drama/dorama é uma adaptação sul-coreana de um drama chinês intitulado Scarlet Heart, e por esse motivo ambos abordam uma temática meio clichê em dramas épicos (novelas de época): a viagem no tempo. Em Moon Lovers somos apresentados a Go Ha Jin, uma garota do nosso tempo que, ao se envolver em um acidente, é magicamente teletransportada para mil anos atrás, durante a dinastia Goryeo, na Coréia. A viagem no tempo ocorre durante um eclipse lunar, o que pode por si só justificar o título do drama. A garota no caso tem sua alma transportada para o corpo de sua encarnação passada, uma senhorita chamada Hae Soo, que entendemos que já estava morta e, por isso, teve seu corpo facilmente "possuído".

O drama ainda não explicou ao certo como ocorreu essa "viagem" e por quais motivos Go Ha Jin teve que "voltar" ao passado. Na verdade, a única coisa que sabemos até o momento é que nesse período da história um rei, Gwangjong, matou todos os seus irmãos e familiares, o que nos leva a crer que sua missão seria impedir que tal tragédia aconteça. Não querendo me adiantar demais, essa sinopse (que nos é apresentada no trailer, inclusive), foca em algo bem Game of Thrones, e é basicamente isso que faz a história andar, lógico que de uma forma mais delicada. A história de luta entre irmãos é apresentada, mas é apenas um pano de fundo para um triângulo amoroso bem complicado.


O principal na história, e o que mais chama a atenção dos telespectadores, é o romance que está sendo traçado. De uma forma diferente, e que pode ter incomodado uma grande parcela de quem está acompanhando, a série logo apresenta à garota o seu primeiro amor naquele mundo, Wang Wook (8º príncipe). Vale lembrar que ela está se sentindo só e perdida e, por ele ter sido a primeira pessoa a lhe estender a mão, ela prontamente entrega seu coração a ele. Porém, o que está irritando os fãs, é que o principal é na verdade outro príncipe (bem mais carismático, devo ser franca).

Sobre Wang So - 4º príncipe (o personagem principal)



Sinopses com um triângulo enrolado existem em todo lugar, mas até agora, nesse desenrolar de campeonato, nunca vi casais mais confusos que esses. No contexto da história tudo está claro, mas para quem está assistindo, está rolando uma longa espera. Bom, como já falei, o personagem principal da trama se chama Wang So, um príncipe que, apesar do título, é tratado quase como um monstro por conta de uma cicatriz que leva em seu rosto, tendo assim que usar uma máscara para cobri-la. Até a sua mãe o despreza, sendo que por conta disso ele foi criado em outro local, distante do palácio e dos olhos de seus pais e irmãos. Ele seria aquele típico bad boy que acabamos amando por saber de todo seu passado triste.


Seu envolvimento com a principal é aquele roteiro batido (não se gostam > ele salva a vida dela > acabam virando amigos > e depois apaixonam), mas até o fechamento desse post o romance ainda não é recíproco da parte dela, o que pode ser utilizado para justificar a queda na audiência (apenas na Coréia, no caso). Pensei um pouco e percebi que realmente estou super empolgada com a trama justamente por conta disso. O fato da história se desenrolar com a mocinha não estando loucamente apaixonada pelo mocinho conseguiu me prender graças à expectativa que eu acabei formando.


Fora tudo o que eu falei, Moon Lovers traz no elenco diversos idols famosos na Ásia, idols esses que formam um clássico harém ao inverso. Há um investimento pesado na ambientação, na trilha sonora, na maquiagem, figurino, etc, o que já constrói um abismo entre a versão coreana para a versão chinesa (não afirmo que uma seja melhor que a outra). Apesar de ainda estar na metade do drama, consigo afirmar sem dúvidas que esse já entrou para minha lista de mais amados.
Muito além disso, confesso que o que mais está me prendendo são as dúvidas sobre a verdadeira personalidade de alguns personagens. No decorrer das cenas conseguimos notar sutis referências à sua antecessora, o que nos faz ficar cada vez mais na expectativa por cenas clássicas, como a da luta "final", e a cena do festival de máscaras. Sim, continuo empolgada.

Como puderam ver, esse foi apenas um texto aleatório sobre algo que estou afim de desabafar. Não foram feitos muitos textos como esse aqui, já que normalmente faço uma pesquisa preliminar antes de publicar qualquer coisa, colocando informações mais precisas. Porém, buscando mudar, dessa vez pulei e fui direto para alguns pontos que realmente me interessam. Esse texto foi mais como um suspiro no escuro, então espero que compreendam. Até a próxima!



Para mais informações, ignoradas propositalmente pela autora desse texto, é indicada a visita à página do drama no MyDramaList.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Drama: The Secret Message [Recomendação]

Mais um post na área, e dessa vez, como dizia o É o Tchan, vim trazer uma mistura entre Japão e Coréia do Sul (ou seria do Brasil e do Egito?). Quem acompanha esse blog há um bom tempo já deve saber que assisto dramas coreanos (novelas) e que sou apaixonada por algumas bandas daquele país. Bem, resolvi quebrar esse breve hiatus com uma recomendação de drama, pois, para ser sincera, variar é preciso.
O drama que resolvi trabalhar hoje foi lançado em 2015 e, na verdade, não é bem um drama, pois possui um formato diferenciado, podendo ser definido como mini-drama ou web-drama. Basicamente é uma novela que, devido a sua curta duração (15 minutos por episódio), foi feita para ser assistida em intervalos breves e em diversos dispositivos (que tenham acesso a internet, claro). Seria uma novela para aqueles que vivem com o tempo contado. A praticidade pode ser notada por aqueles que, num quarto de hora que param para se distrair, podem assistir um episódio enquanto tomam um café. O único problema que vejo é a duração, pois existem mini-dramas que mereciam mais episódios.
The Secret Message, ou apenas Secret Message, é um mini-drama que conta a história de um coreano e de uma japonesa que se conhecem através de um aplicativo de mensagens e que vão aos poucos construindo uma amizade que pode ou não se transformar em amor. O drama é patrocinado pelo aplicativo Line ("rival" do WhatsApp) e traz duas estrelas principais, uma japonesa (Ueno Juri) e uma coreana (T.O.P, do Big Bang), ambos muito populares na Ásia.
Além ter no elenco duas estrelas asiáticas, outro fator interessante, e até hoje inédito para mim, é a interação entre o idioma japonês e o coreano. Ambos são falados no drama, o que torna ainda mais interessante o relacionamento entre os protagonistas, pois eles só conseguem se entender graças ao tradutor do aplicativo. A conexão entre o Japão e a Coreia do Sul também é apresentada por conta da viagem dos protagonistas. A personagem de Ueno Juri, Haruka, está na Coreia, enquanto o personagem de T.O.P, Woo-Hyun, está no Japão filmando uma espécie de documentário sobre o amor.
Sinopse: Haruka não podia imaginar que naquela noite a sua mensagem para o seu antigo amor seria finalmente respondida. Separados pela distância, mas conectados pela troca de mensagens, Haruka e Woo-Hyun vão mutuamente ajudando na cicatrização de antigas e profundas feridas.
Um dos ingredientes desse mini-drama é o fato dele conseguir dialogar com os vários tipos de amor. [SPOILER] Woo-Hyun e Haruka passaram por dolorosas experiências amorosas, e ambos ainda estão procurando entender o amor. Uma das minhas cenas favoritas entre as várias conversas dos dois protagonistas é quando eles utilizam emoticons. O fato de estarem distantes, falarem idiomas diferentes, e ao mesmo tempo estarem tão sincronizados, utilizando imagens para transmitir seus conturbados sentimentos, me fez sentir diversos tipos de sensações.
Os relacionamentos atuais são brilhantemente retratados nesse drama, que utiliza as conversas através de mensagens instantâneas para mostrar como é o amor atualmente. Tudo está mudando tão rapidamente, que às vezes as novelas esquecem e continuam a retratar as conversas através de telefone ou por e-mail, o que ainda existe, claro, mas ao mesmo tempo não deixa de ser obsoleto.
Fora a atuação dos dois, a delicadeza do roteiro, a fotografia, ainda temos a trilha sonora, que conta com uma canção na voz do T.O.P (apesar dele ser rapper, amo quando ele canta). Em suma: The Secret Message é uma experiência rápida, mas que vale muito a pena.

É isso.

domingo, 3 de abril de 2016

Elenco do live action de Fullmetal Alchemist [Comentários]

Como muitos de vocês já devem ter conhecimento, Fullmetal Alchemist ganhará a sua adaptação live action, o que é bom, mas não deixa de ser arriscado. FMA é um shounen que trata sobre a história de dois irmãos que, ao tentarem trazer sua mãe de volta à vida com ajuda da alquimia, acabam perdendo seus corpos (Alphonse perde todo o corpo, já Edward perde a perna e dá o braço para trazer a alma do irmão e prendê-la em uma armadura). Apenas a sinopse já nos dá a entender que a adaptação necessitará de alguns efeitos especiais, e é isso que temo quando a questão é fidelidade: temo por um novo Dragon Ball Evolution (produção ocidental), mas também aguardo um Rurouni Kenshi. Estou indecisa!
Apesar de todo o meu receio, o elenco já foi até confirmado, o que prova que a produção está a todo vapor. Fiz uma série de montagens com base nas informações que foram publicadas aqui e aqui para que vocês tirem suas próprias conclusões.

Yamada Ryosuke como Edward Elric

Edward Elric é o meu personagem masculino favorito, então imaginem a minha dúvida e ansiedade. Estou com medo de estragarem a essência tsundere que ele tem, mas devo admitir que o ator escolhido é bem bonito. Edward é loiro, e isso é uma característica ímpar que não sei se será respeitada, então ainda não posso dar pitaco. Yamada é um ator e cantor japonês conhecido pelo grupo Hey! Say! JUMP, mas devo admitir que nunca vi nenhuma produção da qual participou, então ainda é uma incógnita para mim.


Honda Tsubasa como Winry Rockbell

Winry é o meu amorzinho. O caso dela é o mesmo caso de Edward: ambos são loiros, então não sei bem como isso será adaptado (ou não). Além do mais, Winry é conhecida por sempre se vestir de uma maneira bem despojada, e por muitas vezes sexy, principalmente quando está em casa, então devemos esperar algo parecido vindo de Honda. Devo lembrar que Honda já atuou em uma adaptação bem conhecida (Yoshioka Futaba em Aoharaido).

Dean Fujioka como Roy Mustang

O alquimista das chamas será interpretado por Dean Fujioka. Espero que cuidem bem da caracterização dos personagens e que se esforcem nos efeitos da alquimia de fogo. Ainda não anunciaram a atriz que interpretará a Riza (espero que não a tirem do filme).

Sato Ryuta como Maes Hughes

SPOILER! A única coisa que quero saber é se vou chorar de novo com a morte do Hughes...

Oizumi Yo como Shou Tucker

A entrada desse personagem no elenco só nos prova que a cena mais triste de todos os tempos será adaptada. Tenho nojo do Tucker, mas estou curiosa para ver como será adaptado esse arco tão delicado.

Matsuyuki Yasuko como Lust (Luxúria)

Não existiria uma adaptação de Fullmetal Alchemist sem os homúnculos. Amados, os sete pecados capitais são um dos vilões mais legais que já vi, e a Lust tem toda uma carga de responsabilidade quanto a isso. Espero que respeitem a sensualidade da personagem, pois ela não tem esse nome à toa.

Uchiyama Shinji como Gluttony (Gula)

O intérprete do Gluttony ficou, ao meu ver, muito fiel. Espero que ele consiga dar um ar de meninão para o personagem.

Hongo Kanata como Envy (Inveja)

Envy é aquele homúnculo que muda de forma. Ele, apesar de se achar superior, inveja a condição humana, então super espero um cara metido. O Hongo Kanata é conhecido de muitos de meus leitores por ter dado vida ao Shin no live action de Nana, então estarei na torcida por ele.

Espero que divulguem logo todos os personagens, pois já quero saber se teremos a Pinako Rockbell, o Alex Louis Armstrong e a Riza Hawkeye. Muito amor nessa adaptação.

Aguardem a cobertura.

quarta-feira, 30 de março de 2016

Mangás e HQs: Sobre Nana e o que ainda não foi explicado

Nana é, sem dúvidas, um dos shoujos mais populares de todos os tempos. A receita para tudo isso é bem conhecida: personagens carismáticos, enredo interessante e traços maravilhosos. O mangá, publicado desde 2000 na revista Cookie, é obra da mangaká Ai Yazawa, também conhecida por obras como Gokinjo Monogatari e Paradise Kiss.
Como todos devem saber (ou não), o mangá seguiu seu curso por muitos anos e, graças a várias reviravoltas, tem até hoje um dos finais mais especulados e aguardados. Tudo isso será em vão. Ai Yazawa, devido a problemas de saúde, deu a notícia que todos temiam: Nana foi cancelado por falta de disposição. Para quem não sabe, ela trabalha sem nenhum assistente, então isso se tornaria mais desgastante do que poderíamos imaginar.
A Cookie, revista na qual a história era publicada no Japão, ganha alguns trocados sempre que lança algo novo relacionado ao título, mas não trata de falar nada sobre a continuação. Todos em silêncio enquanto fãs ainda alimentam a expectativa de que algum dia Yazawa acorde e decida voltar. O próprio MyAnimeList já deu o mangá como concluído, então nem tenho mais esperança.
Sobre esse texto, acho que apenas resolvi desabafar minha frustração em não saber o final de cada um dos meus queridos personagens. É muito chato se apegar a uma coisa e não saber a que fim levou. O mangá terminou de uma hora para outra, e alguns capítulos (pelo que lembro) nem chegaram a ser encadernados...
Sobre o titulo desse post, gostaria apenas de levantar essa questão: o que ainda falta ser explicado? Acho que para que algo termine, seria bem mais viável que fossem revelados os mistérios. Acho que seria bem interessante. Nos meus sonhos, ainda penso em algo bem Itazura na Kiss, onde a autora morreu antes de concluir o mangá, mas graças a um caderno de rascunhos fizeram um anime e a história ganhou um ponto final. Com Nana deveria acontecer a mesma coisa, mas não com a morte da Yazawa, claro, mas ela bem que deveria falar algo para os estúdios e eles, com todo um investimento, terminariam de adaptar o mangá e dariam um final legal, sem chororô. Ainda choro quando penso que a segunda temporada chegou a ser confirmada, mas por falta de material nem falam mais no assunto. Fazer o que, né?
O que ainda falta esclarecer? CONTÉM SPOILER!
A autora sempre dava um "petisco" do que o futuro reservava para cada personagem, mas lógico, deixando todo um mistério. Quando vi o pequeno Ren e a Satsuki, fiquei alarmada, me perguntando o que aconteceu. Após a morte do Ren, o mundo desandou, então saber como todos os personagens lidariam com isso parecia ser claro, até que o mangá acaba e não sabemos mais de nada. Ao menos sei que Satsuki é mesmo filha do Takumi, o que me entristece, pois ainda queria que o Nobuo resgatasse a Hachi da armadilha do Takumi.
Nana Oosaki está em algum lugar de Londres, o que pra mim tem uma ligação direta com o punk na Inglaterra. Além disso, antes de morrer, Ren tinha comprado um presente de aniversário para Nana, e o mesmo foi entregue para a protagonista, mas não foi aberto.
Outra coisa que também não foi explicada foi a separação da Hachi e do Takumi. Alguns fãs supõe que o pequeno Ren é filho de Takumi e Reira (Layla) e isso acabou desgastando o relacionamento com a Hachi. Quero ver como Hachi amadureceu tanto, e se ela ainda ficará com o Nobuo... Aparentemente o amor deles ainda resiste.

Não custa sonhar, né?

quinta-feira, 24 de março de 2016

Sugestões de mangás: O amor está no ar!

Bom, minha ausência aqui deve ser justificada, mas creio que não haja necessidade. Para os poucos que me acompanham desde os meus primeiros passos no mundo virtual, creio que sabem que tenho uma conta no MyAnimeList, que é basicamente o local onde qualquer bom acompanhador de animes e de mangás deve visitar para se organizar em suas maratonas. Comparada às outras pessoas, andei por um tempo estagnada no que se refere à séries, mas resolvi aproveitar esse mês para conhecer obras que ainda eram desconhecidas por mim.
Hoje irei listar para vocês os dois dos mangás que andei acompanhando recentemente. Todos eles caem como super indicações, pois foram concluídos logo que os conheci, o que indica que sãos bons o bastante para me fazer ler quase 100 capítulos em questão de dias.

1 - Koukou Debut (Kazune Kawahara)
Bom, esse mangá não deve ser mistério para ninguém, e nem pra mim. Li ele há anos atrás, e reli cada capítulo um dia desses. A história, bem clima de romance colegial, não chega a ser espetacular, mas esse é um dos melhores mangás para quem gosta do gênero. Creio que, se comparado com Mars, esse é o que mais possui um tom de comédia, então a sua leitura é bem mais leve.
Sinopse: Em Koukou Debut acompanhamos a história de Haruna, uma garota que sempre se esforçou na prática de softball, mas que agora (no que seria o seu ensino médio) está a procura de um amor. Inspirada em mangás shoujo, a garota busca alguém que a faça feliz, e para isso ela pede a ajuda de Yoh, que à princípio nega ser seu "treinador", mas depois concorda, com a condição de que ela nunca se apaixone por ele.
Adaptações: o mangá não possui anime, mas foi adaptado para um filme live action.

2 - Mars (Fuyumi Souryo)
Mars é um mangá que te deixa sem fôlego, principalmente pelo ritmo que foi dado para a história. Em suas páginas, o título chega a abordar questões fortes, como suicídio, abuso sexual e bullying, tudo permeado por velocidade. O final não deixou de ser super tenso, e os personagens amadureceram bastante em vários capítulos, o que me deixou feliz pelo destino que foi dado a cada um. Outro fator que te convida a ler mais e mais a história é o relacionamento entre Rei e Kira, que não deixa de ser bem fofo e romântico.
Sinopse: Aqueles dois, desde o princípio, estavam destinados a ficarem juntos. Rei Kashino, um estudante com problemas familiares, e Kira Aso, uma garota que é quase invisível para todos do seu colégio, não faziam ideia que seus caminhos se cruzariam. A história começa a se desenvolver quando Kira, sempre tímida, descobre no violento Rei uma inspiração para uma nova pintura, e Rei, consequentemente, descobre em Kira alguém que ele quer proteger.
Adaptações: o mangá não possui anime, mas foi adaptado para uma série live action.

Como li outros títulos, ficarei postando essas indicações constantemente por aqui, pois adoro incentivar a leitura das séries que eu amo. Vale lembrar que esses mangás são bem distintos. Enquanto Koukou Debut é um clássico romance colegial, Mars pega pesado, e por isso este último é mais aconselhado para um público mais maduro. Para mais informações sobre cada um, o MyAnimeList é a melhor opção.

Qualquer dúvida, podem comentar.

sábado, 5 de março de 2016

Miyuki Takara Maid Figure [Unboxing]

Mais uma noite aqui em Fortaleza, noite perfeita para se fazer um post sobre comprinhas (-sqn). Quem me segue no Instagram deve ter notado que sempre passo minhas férias curtindo loucamente alguma cidade (-sqn²). Passei as férias todas estudando, como de costume e, de quebra, voltei para minha cidade e tive que ir direto pra facul. Sim, foi bem chato, mas acho que algo que deu pra recompensar foi, sem dúvidas, as figures que comprei em São Paulo (as primeiras de muitas).
No caso, a figure que mostrarei hoje é a que comprei para o meu namorado. Deixarei para mostrar a minha quando a coragem de tirar ela da caixa permitir. Sem mais delongas, vamos começar!

Essa figure faz parte da coleção comemorativa de 10 anos de Lucky Star. Sendo a primeira de uma coleção de quatro bonecas, fica até complicado comprar uma sem querer comprar as demais. Vale ressaltar que essa coleção não é ressente, sendo que seu lançamento foi no ano de 2014. Confiram a seguir mais detalhes.

quinta-feira, 3 de março de 2016

Clamp publicará um novo mangá de Sakura Card Captor

E finalmente, a notícia que todos os fãs do grupo Clamp esperavam: um novo mangá de Card Captor Sakura.
Esse projeto foi anunciado no embalo das comemorações de 20 anos de Card Captor Sakura. Alguns pensavam em um novo anime, o que achei muito improvável, devido a inexistência de material inédito para ser adaptado. O anúncio de um novo mangá (história inédita) caiu como uma bomba na internet.

De acordo com o site Anime News Network (via Chibi Yuuto):

A edição de abril revista Nakayoshi, da Kodansha, anunciou na quinta-feira que os membros do criativo grupo Clamp estão publicando um novo mangá em sua franquia Cardcaptor Sakura. O anuncio não menciona algum outro detalhe sobre o novo trabalho, e a revista diz que anunciará em qual futura edição será publicado o novo mangá quando isso for decidido. O anúncio em japonês indica que o novo mangá não será uma série longa.


Ainda segundo o site Comic Natalie, será um one-shot, o que corta as ilusões de uma continuação longa, que seria adaptada para anime, mas que já é uma grande coisa para quem esperava um novo material sobre o maior sucesso do Clamp (como eu).

Esperando ansiosamente!

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Noragami - Impressões sobre as duas temporadas

Olá, meus amores. Bem, venho nesse humilde post falar um pouco sobre um anime que foi destaque nas temporadas passadas. Como estamos buscando retomar o ritmo que este blog já teve há anos atrás, hoje resolvi fazer aquilo que mais gosto de fazer por aqui: analisar animes. A animação que escolhi dessa vez foi um shounen que até o momento possui duas temporadas (2014 e 2015). Noragami me foi apresentada há um bom tempo, mas apenas agora resolvi assisti-la devidamente. O texto a seguir vai sair mais como um incentivo de minha parte, pois quero muito que outras pessoas "degustem" essa história.
Noragami, em suma, trata sobre um deus "menor" chamado Yato. Bem, Yato seria uma espécie de deus falido, pois não tem fiéis e nem mesmo um templo para orações. Sua rotina diária consiste em espalhar pichações em paredes e até mesmo em banheiros públicos para que alguém contrate seus serviços de deus. Ele, nesse caso, se torna um deus "faz tudo", enfrentando tarefas que vão desde encontrar animais desaparecidos até consertar a encanação de banheiros.
A história de fato começa quando Hiyori Iki, uma colegial, salva Yato de um acidente. Este acontecimento acaba resultando na transformação de Hiyori em uma espécie de "meio-fantasma", ou seja, a alma da garota passa a sair de seu corpo constantemente e, com isso, ela passa a ver diversos seres que antes eram invisíveis aos seus olhos, como outros espíritos. A garota, que a princípio se assusta com sua condição, no decorrer da série passa a se envolver cada vez mais com Yato e com o shinki de Yato, Yukine.
Noragami traz uma sinopse bem estranha, por isso me senti forçada a engolir algumas coisas nos primeiros episódios, mas depois os próprios personagens e o relacionamento entre os mesmos me fizeram querer assistir tudo de uma só vez. Isso é uma novidade para mim que, se não me apaixono de uma vez, deixo o anime de lado e procuro outra coisa melhor para fazer.
Dos três personagens principais, Yato é de longe o mais carismático. Ele é um personagem com manias e repleto de características não tão positivas, e é isso que nos aproxima cada vez mais de sua personalidade e nos faz torcer para o seu sucesso. Yukine, o garoto loiro de 14 anos, que acaba se tornando o espírito protetor de Yato (ou shinki), inicialmente age como um menino mimado. Amei o desenvolvimento desse personagem, pois não foi idealizado, como geralmente acontece. O garoto, desde o princípio, agiu como um "garoto problema", querendo viver como um menino de sua idade e invejando aqueles que conseguem. Yukine (nome que foi dado por Yato) passa por diversas provações, peca e, por consequência, é punido, sendo perdoado e conseguindo finalmente se aceitar.
Hiyori, por outro lado, é uma personagem que a princípio não estava envolvida com nenhum ser sobrenatural, mas que, por ironia do destino, acaba se tornando um "híbrido", ou seja, acaba adquirindo a habilidade de seu espírito sair de seu corpo. A princípio se envolve com Yato e com Yukine para que eles consigam consertar seu corpo, mas posteriormente acaba se apegando aos dois, criando vínculos de amizade.
A história dos três monta o enredo da primeira temporada, cabendo à segunda os "arcos" dos outros personagens. As duas temporadas, apesar de tocarem no passado de Yato, não chegam a explicar devidamente a relação entre Yato, Nora (outro shinki de Yato) e Kouto Fujisaki, o que me faz pensar numa possível terceira temporada. Tendo como base o sucesso das duas temporadas, creio que uma terceira está aguardando apenas o desenrolar do mangá.

Logo acima mencionei o termo "shinki" várias vezes, sem de fato explicar o que seria. Shinki seria um "ajudante" de um deus, ou melhor, são "tesouros sagrados" que os deuses utilizam para desempenharem diversas tarefas. Cada deus pode ter vários shinki, porém um shinki deve servir a apenas um deus. Ao se tornar shinki, o deus nomeia esse espírito que o servirá, sendo que esse nome fica cravado no corpo do espírito. Entretanto alguns shinki servem a inúmeros deuses, tendo, em consequência, vários nomes. Esses shinki com diversos nomes são chamados de Nora.
O shinki, ou regalia, é criado a partir de um espírito "errante", ou seja, um espírito que ainda vaga sobre a terra. Esse espírito, inicialmente puro, pode ser corrompido se for possuído por fantasmas. Como o shinki tem uma ligação direta com o seu deus, se o shinki for corrompido, isso poderá resultar até na morte do deus.
Sobre o anime, creio que a segunda metade a primeira temporada se perdeu em uma história fraca. Rabou, antagonista, com a ajuda de Nora, rouba as memórias de Hiyori e quer, a qualquer custo, que Yato volte a ser o deus da calamidade que costumava ser. Se levarmos em consideração a inexistência de Rabou nos mangás, podemos dizer que esse arco foi um "enchimento de linguiça".
Quanto à segunda temporada, amei o arco da Bishamon (os seis primeiros episódios), mas devo admitir que os sete últimos me fizeram ficar meio entediada. Não gostei da introdução do personagem Ebisu e, para mim, eles deveriam ter aproveitado o surgimento do Fujisaki, e não ter simplesmente deixado um mistério no ar no último episódio.
A animação como um todo (quesitos técnicos) merece meus sinceros aplausos, principalmente pelas cenas de luta, que foram muito bem feitas. A personagem Bishamon, mesmo tendo um certo fan service, foi muito bem construída, nos fazendo vê-la como uma personagem mais forte que um homem, porém sem deixar de lado a sua feminilidade. Amei essa personagem por conta disso. Hiyori também segue esse mesmo esquema, pois salva constantemente os demais personagens, apesar de não ter poder nenhum (meu modo feminista foi ativado).
Em suma, Noragami, apesar de ser um anime/mangá shounen, tem em seu conteúdo uma ode à força feminina. As mulheres da série são de fato fortes e admiráveis, o que se deve ao fato da história ser escrita por duas mulheres. Não estou dizendo que um mangaká homem não possa fazer personagens femininos "não passivos", mas creio que as mulheres têm mais sensibilidade para a criação de bons personagens femininos. Em todo caso...

Tomara que o mangá seja logo publicado por aqui.

ATUALIZAÇÃO: A Panini anunciou que NORAGAMI foi um dos títulos licenciados pela editora e que em breve será lançado no Brasil!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

TOP - Os personagens masculinos mais sexies [anime e mangá]

Desde que fundei este espaço, até os dias atuais, o que mais me rendeu visualizações foram os top's de personagens. O top beijos até hoje é o mais disparado em views, e por conta disso parei um pouco de fazer essas listinhas. Acho que não queria tornar esse blog algo tão voltado para top's, e sim um espaço que tivesse textos mais problematizadores.
Porém, como é da farofa que o povo gosta, resolvi fazer um top 10 dos personagens mais calientes de animes e mangás. É uma lista pessoal, então se não concordarem sintam-se livres para isso. Então, vamos começar!

10 - George (Johji) Koizumi - Paradise Kiss
O menino George... O que falar desse personagem metido a bad boy, né? George, apesar do estilo um tanto quanto arrogante, se destaca por ser um "cara" sensível. Sua forma de amar chega a ser mal compreendida na série, mas o seu charme e a sua boa lábia fazem com que torçamos para que Yukari consiga terminar sua complicada história de amor com ele.

09 - Saitou Yakumo - Shinrei Tantei Yakumo
Shinrei Tantei Yakumo é um shoujo que tem seus altos e baixos. A história é até legalzinha, mas a adaptação animada poderia ter sido melhor (ainda juntando dinheiro para comprar o mangá). Um dos pontos que nos prendem à série é, com absoluta certeza, o protagonista. Yakumo é um estudante que faz uns bicos como detetive por possuir um olho que consegue ver espíritos. Seu jeito sério, misterioso e, lá no fundo, amável e sexy, o colocaram nessa lista.

08 - Sebastian Michaelis - Black Butler (Kuroshitsuji)
Claro que não poderia fazer um top sobre personagens sexies sem mencionar o Sebby. De todos ele é o que de fato é mau, já que é um demônio, mas nem por isso é o mais odiado. Suas habilidades e a sua forma de servir o seu amo mexem com o fetiche de qualquer um que assista, principalmente com o fetiche das fujoshis. Nem devo mencionar o fan service...

07 - Takumi Usui - Kaichou wa Maid-Sama!
Usui é o protagonista de um shoujo, mas nem por isso vive um romance estilo "Kimi ni Todoke". É o único loiro dessa lista (não gosto de loiros), mas é um dos personagens mais interessantes. Ele é do tipo que consegue aquilo que quer após batalhar muito, e isso não seria diferente no amor. Devo ressaltar também as suas versões chibi, que são uma gracinha.

06 - Ren Jinguji - Uta no Prince-sama
O Ren, assim como o Usui, é um personagem um tanto quanto atirado, mas ao contrário do outro, não consegue nada com a protagonista. No caso, o fato de Ren estar num harém ao inverso dificulta muito uma possível história de amor com sua amada, mas mesmo assim ele é perseverante. O personagem tem cabelo longo e suas cenas são repletas de fan service... Devo falar mais?

05 - Sesshomaru - Inuyasha
Meio-irmão de Inuyasha, Sesshmaru entrou em nossa lista por ser, ao contrário do protagonista, muito sexy. Não que Inuyasha não seja sexy, mas o acho tão fofo por conta das orelhinhas que nem o levo tão a sério como macho alfa. Sesshomaru, apesar de aos poucos abrir seu coração para a Rin, mantém sua indelicadeza até o último episódio/capítulo, o que o torna um dos personagens mais amados do anime (todas amam um bad boy).

04 - Kyo Usui - Black Bird
Kyo é um tengu que se torna líder de seu clã para poder ficar com a sua amada. A sinopse de Black Bird pode até soar romântica, mas não é bem assim. Além de um alívio cômico adulto, a história traz um romance bem maduro entre os personagens, o que marca um diferencial entre Black Bird e outras histórias do gênero.

03 - Kaname Kuran - Vampire Knight
Botando a cara no sol.
Não, não sou Kanamete. Já adianto que sou Team Zero, mas não posso negar que o Kaname é bem mais interessante que o meu amado hunter. Kaname vem de uma linhagem de vampiros sangue-puro, então tem toda uma pinta de realeza, além do charme e elegância que faltam aos homens de hoje em dia. Enfim, foi uma das minhas paixões da adolescência e sempre será uma inspiração. 

02 - Takano Masamune - Sekaiichi Hatsukoi
O único dessa lista que faz parte de um anime/mangá yaoi. Takano ama o Onodera e Onodera ama o Takano... Quer amor mais simples que esse? Claro que não poderia ser tão simples assim, mas é isso que dá um charme todo especial ao amor dos dois. Takano é o seme da relação (o ativo) e por isso tem um jeito todo "homão", além de usar óculos, que é o meu atual fascínio.

01 - KyoutaTsubaki - Kyou, Koi wo Hajimemasu
Enfim, o número um de minha lista. Bem, não foi difícil escolher o primeiro colocado desse top por motivos óbvios: não há personagem que desbanque o Kyouta. Ele começa a história sendo um belo vigarista, ou bad boy, como queiram, mas acabou mudando de atitude aos poucos por conta da meiguice do seu interesse amoroso. Enfim, ele é um protagonista de uma história de Kanan Minami, então para quem conhece a fama da mangaká, já dá pra esperar um menino bem atirado.

Fiz essa lista de uma forma bem rápida, mas procurei listar os personagens mais "hot" que lembrei. Não significa que esses são os meus personagens favoritos, pois levo em consideração outros fatores para isso. Esses são apenas os personagens que considero mais charmosos. E é isso...

Até breve.