terça-feira, 31 de janeiro de 2012

SANA Fest 2012 - O que teve?

Olá amores, como estão? Para os curiosos, gostaria de vos informar que estou ótima, gripada e lendo livros que nem uma condenada. Vim aqui para comentar um evento que rolou em minha cidade, então espero que leiam... É!
Nesse último fim de semana houve em Fortaleza, mais precisamente no Centro de Convenções do Ceará, mais uma edição do SANA Fest, um evento direcionado aos apreciadores da cultura japonesa. Não considerava este evento muita coisa, pois sempre no meio do ano ocorre o SANA, que por conter mais atrações, é para ser maior que o mero SANA Fest , mas os organizadores andam se empenhando tanto nos dois eventos que já posso dizer que ocorrem dois SANA's por ano.
Para quem não sabe, o SANA (Super Amostra Nacional de Animes) é um evento que vem acontecendo deste 2001 em Fortaleza. Realizado pela Fundação Cultural Nipônica Brasileira, o mesmo está sempre contando com atrações de todos os tipos, como dubladores, cantores japoneses, entre outros. Ah, e tudo, até uma simples coxinha, custa os olhos da cara. Segundo fontes é o segundo maior evento do gênero no Brasil, só perdendo para o Anime Friends.
Você pode estar aí afirmando: um evento desses na cidade dela, com certeza ela foi. Errr... NÃO! Faço parte do lado pobre da família, então, como passei o mês comprando mangás com o dinheiro que havia juntado durante minhas aulas, eis que não deu para ir. Ir para um evento como esses sem dinheiro é como comer pastel sem coca, entende? É, mas o lado bom da coisa é que para o bem de meus leitores resolvi mandar um correspondente do Blog da Raio: meu irmão. A cobertura não saiu lá essas coisas porque ele é um sem noção, sabe? Mas até que saiu algo bem digerível (ri muito vendo as fotos), então não fechem a janela ainda!
Já fui frequentadora deste evento no tempo das vacas gordas, mas como agora sou uma universitária movida a xerox, minha vontade de gastar dinheiro suado nesse evento se esvaiu. Lá até que tem muita coisa bacana, muito mangá em promoção, jogos, espaço para exibição de anime (tem muito tarado lá querendo conversar...), além de muito nerd que nunca pega ninguém com uma plaquinha escrito "beijo grátis". Tudo num nível compreensível. Ah, e os cosplayers esse ano estavam uma coisa de louco...
MENIIIINO! Um cosplay ecológico?

Essa o Seiya nem se preocuparia em salvar.

Ah, e como não é só de cosplay que vive o evento, meu correspondente também fez um passeio pelos stands para mostrar o que havia por lá. Como ele não tirou foto de tudo, comentou sobre o que viu: camisetas de Kuroshitsuji, chaveiros do Kero (quase que eu o mato por não ter me trazido um)... Mas ele foi perdoado por me trazer uma pelúcia do Kon:
Eu sou seu, mamãe! *O*

Bom, lógico que meu correspondente também resolveu me fazer mais e mais inveja, pois como um dos atrativos do evento eram os mangás em promoção (alguns), ele tirou foto de dois que estou querendo comprar. Irmão mau é osso! Custava ter comprado?
Logo do Hatsuharu, 'mã'? Não tem amor pela vida não?

Por quê de tanta figure que você poderia ter tirado uma foto, você me vem com essa de To Love-Ru? 

Tá, para se redimir ele tirou foto de dois dos mais bombados personagens da Marvel: Hulk e Wolverine. Voilà:

Tá vendo como pérolas podem ser encontradas em todo lugar? Bom, uma das coisas que ele mais curtiu foi a apresentação de Eizo Sakamoto, da banda Animetal. Tá, o cara começou cantando uma das aberturas de One Piece, então sem comentários...

Ah, lembrando, este é só o SANA Fest. No meio do ano trago a cobertura do SANA, só que acho que mudarei de correspondente... ¬¬

Fui!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Sekai-ichi Hatsukoi - O Caso de Yoshino Chiaki [DOWNLOAD]

De tempos em tempos é bom dar uma retocada nas novidades, não é verdade? Bem, hoje venho trazer um projeto que estava inacabado no meu PC, mas agora, como tenho tempo de sobra, resolvi concluir e postar para a alegria das fujoshi (e porque não para a dos fudanshi, né?). Então, como estava dizendo, trago o mangá Sekai-ichi Hatsukoi - Yoshino Chiaki no Baai (O Melhor Primeiro Amor do Mundo - O Caso de Yoshino Chiaki). O mesmo é uma novel, mas vem com um capítulo (extra?) no final. Achei interessante na época (ano passado), e como não o encontrei em português comecei a traduzir. A novel não traz nenhuma novidade para quem já acompanhou o anime, então não há nenhum perigo de se ficar boiando ao ler o mangá. Lembrando: foram lançados apenas 4 volumes.

   Título:  Sekai-ichi Hatsukoi - O Caso de Yoshino Chiaki
   Autora: Nakamura Shungiku
   Resumo: Yoshino Chiaki é um mangaká de 28 anos de idade que usa o pseudônimo feminino Yoshikawa Chiharu. Seu editor é Hatori Yoshiyuki, que também é seu amigo de infância.






Enquanto alguns comemoram a vinda de Kuroshitsuji para o Brasil, alguém tem que trabalhar, né? Bom, espero que gostem do novo projeto. Ah, e no próximo post comentarei sobre o SANA Fest que ocorreu nesse fim de semana.

Fui!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Seikon no Qwaser

Que tal falar sobre ecchi? Nunca comentei sobre um anime ecchi antes, sendo que também reparei uma escassez de reviews sobre o gênero em outros sites. Isso não pode ser aceito por mim, pois por mais que o gênero seja "estranho", temos que aceitá-lo como um a ser comentado. Ecchi também é cultura, e para mostrar isso no meu ponto de vista, selecionei Seikon no Qwaser, meu primeiro ecchi, para dar início a essa nova fase do blog.
Seikon no Qwaser, também conhecido como 'The Qwaser of Stigmata', é um anime ecchi dirigido por Hiraku Kaneko, que traz, além de muitos peitos, ação e nonsense. Baseado no mangá sensual de Hiroyuki Yoshino (história) e Kenetsu Satou (arte), e publicado na revista Champion Red desde 2006, o anime possui uma boa dose de ação e ficção. Conhecido no Japão como o "mangá de chupar seios", a história gira em torno de duas garotas, Mafuyu Oribe e Tomo Yamanobe, estudantes da Academia Ortodoxa São Mihailov, que certo dia ajudam um garoto russo de cabelos prateados e olhos verdes que estava desmaiado na estrada. Esse garoto, cujo o nome é Alexander "Sasha" Nikolaevich Hell, é um jovem Qwaser que pode manipular o Ferro em seu nível molecular, sendo capaz não só de mudar sua forma, mas também criar calor ou frio extremo.
Cada Qwaser pode controlar um elemento, e para ter a energia necessária para usar seus poderes ele deve ter em seu corpo certa quantidade de soma. Esse soma, que é a substância sagrada que alimenta os poderes de um Qwaser, a concentração da energia vital, é reabastecido através da amamentação, sendo fornecido por sua parceira de combate, chamada, no caso, de Maria Madalena. O soma é disponível apenas em seios de mulheres virgens, então não é obrigado o Qwaser apenas se "alimentar" do soma de sua parceira. Com isso você já pode ter uma ideia do que acontece no decorrer dos episódios, né?
Sasha (seu apelido, apenas para os próximos), o protagonista, é um garoto russo, que vez ou outra é pego falando em seu idioma. Como disse anteriormente, é um Qwaser que manipula o Ferro. Tem cabelos grisalhos, olhos azuis e uma cicatriz no rosto em forma de uma Cruz do Leste (que aparece quando ele usa seus poderes) que foi feita pelo suposto Qwaser de Ouro (aquele que domina o Ouro). Após os primeiros acontecimentos ele é aceito na Academia São Mihailov, mais precisamente na mesma sala de Tomo e Mafuyu (1 - A). Sua parceira é Teresa Beria, uma freira ortodoxa sérvia.
Qwasers de todo o mundo estão indo para a escola atrás de um quadro (o Theotokos de Tsarytsin), que supostamente Yuudai Yamanobe, pai de Tomo, escondeu no local, já que era reitor do mesmo. Esses Qwasers, chamados por Sasha de hereges, farão de tudo para conseguir o quadro, e é essa a história que se segue. Bom, além de Sasha, gostaria de citar outra Qwaser, a diabólica Ekaterina Kurae, ou Kate, controladora do Cobre. É uma menininha loira que usa vestidos em estilo lolita e, por mais estranho que pareça, é aliada de Sasha. Considero essa personagem a que, com exceção de Sasha, tem o maior destaque, por conter todas as características de uma menina ingênua e bobinha, porém agindo diferente quando está a sós com sua Madalena Hana, sendo a mais pervertida entre os demais. Ela também é russa.
Porque assistir? Eu realmente não sei. O que me fez começar a assisti-lo foram os comentários e elogios que encontrei. Bem, na época não fazia ideia do que era um ecchi, pois nunca havia assistindo um, mas só de ver o Sasha em ação passei a amar a história e querer ver mais e mais episódios. O relacionamento que começa a surgir entre Mafuyu e Sasha é uma das razões (admito) para que eu tenha continuado a assistir.
Traços bonitos, momentos de ação muito bem feitos, e leves (e eficientes) pitadas de humor, são as principais características deste anime que, apesar de mostrar peitos toda a hora (pode ser uma coisa positiva para alguns), tem personagens marcantes e momentos bem sem noção (palmas). Possui Segunda Temporada.

Bye!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

No. 6 - Capítulo 3 + Reup.

Hello, povo meu! Hoje vim apenas contar umas novidades, prestar contas e falar da atual crise. Bem, começando, outros servidores estão em crise pós fechamento do Megaupload e, ou estão deletando arquivos, ou fecharam de vez devido, mais uma vez, ao FBI. Graças a essas medidas, vários fansubbers e sites de reencode nos deram adeus ou não renderam-se e estão procurando outras formas para continuarem nos proporcionando um pouco da cultura japonesa. Ha, estou contente com várias coisas, mas a principal é que estou trabalhando bem rápido nos capítulos de No.6, o que me tem sido gratificante devido à comentários super revigorantes que estou recebendo. Obrigada!
Como todos os capítulos que fiz estavam upados no Megaupload (eu realmente o amava ) tive que fazer um reup. de todos os capítulos anteriores de No.6 e Clannad (ainda não postarei este).
Tá, ainda tenho que apresentar esse mais novo capítulo de No.6, que está simplesmente incrível: Shion e Nezumi chegaram no Distrito Oeste, porém algo de ruim está prestes a acontecer com Shion. Será que ele sobreviverá?

Notaram algo novo? Sim, agora usarei o BayFiles, que ainda está em fase de testes por aqui, mas pelo que vejo é uma ótima opção. Se não der certo, podem comentar esculachando, ok? Ah, e como falei em reup., aqui estão os capítulos anteriores reupados. Faltam apenas dois capítulos para o fechamento do primeiro volume, então... Fiquem atentos!




   Capítulo 1: BayFiles
   Capítulo 2: BayFiles












E por hoje é só!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

A internet está um caos!

Após as reivindicações contra os projetos SOPA e PIPA que ocorreram ontem, dia 18, eu poderia esperar qualquer coisa, qualquer notícia, menos essa que apareceu logo após minha saída do monitor na tarde de hoje, dia 19: "Megaupload é tirado do ar".
A 'bomba' não chocou só à mim, mas à muitas (ao mundo todo) outras pessoas que, como eu, eram usuárias constantes desse que,  sem exageros, é o maior site de compartilhamento de arquivos do mundo. Segundo a imprensa, o site foi desativado devido à prejuízos de mais de US$ 500 milhões a detentores de direitos autorais por causa da pirataria de filmes ou qualquer outro produto ligado ao entretenimento. O fundador e outros funcionários estão sendo processados por pirataria.
É uma grande "coincidência" que o site mais usado para a hospedar arquivos tenha sido tirado do ar logo após o blackout de sites contra os projetos que tramitam na Câmara e no Senado estadunidense. Seria uma forma de mostrar quem é que manda? Bem, o que sei é que se o SOPA (Stop Online Piracy Act) e o PIPA (Protect IP Act) forem aprovados, a internet, tal como conhecemos hoje, pode deixar de existir. Os dois projetos antipirataria, que são bastante semelhantes, funcionariam da seguinte maneira:
Muitos sites não oficiais (que são, na maioria das vezes, um meio de divulgação gratuita para um certo produto) iriam à falência (inclusive este inocente blog) apenas por colocar uma imagem para ilustrar uma review sem antes pedir autorização. Isso por acaso não afetaria nossa liberdade? Será que os governantes não se usariam do Protect IP para fechar qualquer rede social em que seus usuários estejam planejando tirá-los do poder? Creio que se esses projetos forem aprovados estaremos dando um grande passo para uma nova ditadura.
Google, Tumblr, Wikipédia, entre outros, deixarão de existir se esses projetos forem aprovados. O que será de nós, pobres otakus, sem nossos episódios? Sem nossos scans? Admito que baixo muitos arquivos, mas é por simples falta de opção, pois nem sempre os títulos que eu quero ler se encontram disponíveis no Brasil. Talvez essa pirataria tremenda não existisse se os impostos sobre certos produtos fossem diminuídos.
Eu, como qualquer outro consumidor, prefiro obter um produto original, mas às vezes sou impedida pelas altas tarifas. Muitos gamers, por exemplo, já sofreram (ou ainda sofrem) pelos impostos abusivos sobre jogos. E era aí que muitos se perguntavam: porque comprar um jogo na loja se posso, pelo mesmo valor, comprar dez ou até vinte discos na calçada? Pelo menos para eles o final foi feliz, já que aprovaram uma lei de redução de impostos para jogos. Mas e para as pessoas que querem comprar um DVD de Harry Potter? Será que terei sempre que esperar um ou dois anos para poder comprar um?
O engraçado é que podemos ser presos ou até ter nossos blogs/sites fechados se esses projetos forem aprovados. Imagine só ser punido sem julgamento, perder sua liberdade de expressão ou até ter sua privacidade invadida. É isso!
Arte feita por Kanai Shinobu.

Em breve voltaremos com nossa programação normal!

domingo, 15 de janeiro de 2012

No. 6 - Capítulo 2

Com a chegada das minhas tão aguardadas férias, eis que me veio um precioso tempo para editar. Como faz tempo que não atualizo nenhum projeto por aqui, dessa vez trouxe o segundo capítulo de No.6. Ainda postarei outro capítulo esse mês (pretendo postar dois, mas não sei se conseguirei), então fiquem atentos.


No.6, o shoujo mangá que está sendo publicado na revista Aria desde março de 2011, continua com a trama que envolve dois garotos. Shion dessa vez é suspeito de duas mortes misteriosas. O que terá acontecido?




Besitos!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Página no Facebook e rapidinhas!

Blog da Raio agora tem uma página na maior rede social do mundo. Sim, estou falando do Facebook! Além de estarmos de cara nova, começamos o ano oficialmente, prometendo para os próximos dias muitas novidades, pois temos que aproveitar esse clima de férias para acelerar todas as coisas pendentes. Para curtir nossa página é fácil: basta ir na mesma (clicando aqui) ou clicar em curtir no gadget que se encontra na coluna à direita.
Rapidinhas!
Sobre o mangá de No.6já estou concluindo o próximo capítulo. Além disso estou tentando seguir para os outros capítulos, adiantando assim os capítulos pendentes. Uma das coisas que me impedem de ser pontual com os projetos são os posts constantes, já que preparar um demora.
Sobre o twitter: ficará sendo atualizado conforme os posts do blog, então siga-o clicando no seguinte button:

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Moda - Pelas ruas de Tóquio

Algo que considero incrível no Japão é que, por mais estranha que sua roupa possa ser, não irão lhe olhar com um olhar de repreensão. Sempre que leio comentários de fashionistas que vistaram o país insular, deparo-me com um espanto por parte deles. Não que esse espanto seja algo ruim, muito pelo contrário. Eles se espantam devido à forma como você pode ousar, usar várias tendências, misturar várias cores neon e ninguém lhe olhar repreendendo. Tudo lá é num clima de profundo respeito e educação.
Sábado, conversando com um amigo, comentei que vejo nas revistas nipônicas uma ousadia de cores, garotas que mais parecem bonecas de porcelana (creio que o photoshop ajuda um pouco) e páginas que parecem ter sido banhadas com glitter. As revistas em que mais encontro essas características são aquelas direcionadas ao público adolescente, como por exemplo a Ageha, que é uma revista de moda direcionada para mulheres de 18 a 22 anos. A revista, assim como outras, reflete a 'moda de rua' dos bairros de Tokyo.
Não escondo de ninguém que um dos meus maiores sonhos é viajar para o Japão e conhecer um pouco da cultura nipônica na prática, já que teoricamente, de tanto assistir animes, tenho uma leve ideia de como as pessoas são por lá. Olhando as fotos das revistas japonesas, podemos até comparar muita coisa com alguns editorias de moda que encontramos constantemente em revistas teen que vendem em nosso país, mas o grande diferencial está quando colocamos em prática e vestimos as roupas que vemos em revistas "especializadas". Lá (Tokyo) as garotas e, por mais que não acreditem, os garotos, colocam em prática o que veem e também o que dá vontade, pois criatividade é o que não falta.
Harajuku e Shibuya são considerados os bairros fashion de Tokyo, onde uma simples caminhada se transforma num verdadeiro desfile de extravagância e criatividade. Essa 'japanese street fashion' não se apoia em nenhuma marca famosa. Muitas das roupas são customizadas em casa, inclusive acessórios, sendo que é isso que permite que cada pessoa transmita como ela realmente é, ou como ela se sente. Tem horas, olhando fotos, que fico na dúvida se certa roupa foi inspirada em um personagem de anime/mangá ou virse-versa.
O que acho lindo são as meias compridas que as meninas usam. Teve um tempo que por aqui tinha uma mania de usarem meias compridas com listras coloridas. Achava brega, e olha que eu tinha uns 8 ou 9 anos. Tenho um grande amor por cores neutras, mas jogar um amarelo no meio de tanto bege e cinza não faz mal a ninguém.
Para quem não sabe, a moda pop japonesa que conhecemos atualmente, que é tão inspiradora, não teve uma origem tão inspiradora assim. Basicamente a moda japonesa não seria o que é hoje se não fossem as gangues de garotas que rondavam pela cidade durante o século XX. Esse estilo despojado veio com o tempo, sendo que deve-se principalmente à essas 'tribos urbanas'. Não entrarei em detalhes sobre, pois pretendo futuramente escrever sobre elas.
Aqui no Brasil vários estilistas inspiram-se na 'moda de rua' japonesa, mesmo que inconscientemente, em suas criações. Várias grifes brasileiras costumam mandar representantes à Harajuku para trazer novas ideias. Essa mistura nipo-brasileira pode ser vista em várias vitrines, é só procurar.

Espero que tenham gostado!

sábado, 7 de janeiro de 2012

TOP - Beijos em Animes

Algo que percebo muito nas estatísticas do blog é que meus visitantes gostam muito de TOP's em geral. Ok, também amo, por isso decidi escrever mais esse. Decidir escrever uma coisa é fácil, mas qual seria o tema? Pensei, meditei, refleti e... Beijo! Pronto, irei falar sobre beijo em animes, ou melhor, escalar os dez mais impactantes beijos que já passaram pelo meu monitor. Sabe aqueles fofos, aqueles muito aguardados e aqueles inesperados? Eles com certeza marcam cada anime, não só por ser um beijo em si, mas sim por representar um momento único para cada casal. Tem tanto anime que queria listar, mas por não conter um beijo entre os casais fica até difícil colocar aqui. Clannad e Kimi ni Todoke são meus exemplos mais revoltantes, pois em Clannad os protagonistas casam e têm até uma filha, mas mesmo assim não rola um beijinho entre eles, e em Kimi ni Todoke nem se fala, né Sawako? A lista será em ordem decrescente, então... a seguir:


10 - Kotoko e Naoki (Itazura Na Kiss)
Após um beijo "forçado" e outro enquanto Kotoko dormia, Naoki criou coragem (após saber que a perderia), a beijou na chuva (o melhor clichê que já criaram) e em seguida a pediu em casamento. Esse casal é meio que uma incógnita, pois realmente não sei o que pensar da relação deles, mas é fato que esse beijo (episódio 14) foi o mais aguardado. Confiram o vídeo (avancem até 02:43):


09 - Nanami e Yano (Bokura Ga Ita)
Sabe aquele beijo que marca a série? É! Não sei vocês, mas para mim esse é o beijo mais lindo do casal. Yano e Nanami formam um casal meio sentimental, ou até emo, que passa o anime todo brigando, chorando, terminando e voltando... O momento que mais amei, fora quando Takeuchi a encontra chorando sob a neve (sou team Takeuchi, ok?), é o beijo sob a luz das estrelas, momento esse que eu definiria como calmo e romântico. Ah, e é narrado pela Nanami desse jeito: "Com o seu rosto brilhando na profunda escuridão e os seus olhos como a união de todas as estrelas da galáxia em uma só, ele me disse que a eternidade existe." Bokura Ga Ita é um daquelas histórias super emotivas que a autora gosta de colocar vários fatos tristes e românticos só para quebrar e conquistar nossos corações. Tem momentos lendo o mangá que você fica mais angustiada que quando está lendo Kimi ni Todoke e tem vontade de matar a Sawako. Ah, e a seguir o vídeo com a cena (beijo acontece no 03:42).


08 - Risa e Otani (Lovely Complex)
Após beijos um tanto quanto estranhos, o casal enfim dá seu primeiro beijo descente sob o brilho de fogos de artifício. Risa e Otani formam um casal um tanto quanto exótico, e posso dizer isso com base na altura e personalidade de ambos. O primeiro beijo deles foi algo acidental, sendo que Otani estava doente e meio fora de si, já o segundo foi um beijo de desespero, já que o anão do Otani não conseguia entender o que Risa estava tentando dizer. Esse que considero o melhor e único se passa no episódio 18, no aniversário da Risa. A seguir o vídeo (beijo no 03:41):


07 - Yukari e George (Paradise Kiss)
Como em toda história assinada por Ai Yazawa, Paradise Kiss é um anime intenso, com personagens complexos e cenas de beijo mais que perfeitas. Ok, agora tenho a difícil tarefa de selecionar um beijo desse anime. O casal de protagonistas Yukari (Caroline) e George tem um relacionamento muito intenso, mas destinado ao fracasso devido à egocentricidade de George. Não vou dizer que entre os dois não houve um amor verdadeiro, mas o que posso afirmar é que é um tipo de amor tão diferente que nem sei como defini-lo. Melhor beijo? O primeiro, que a protagonista descreve como afrodisíaco e blá blá blá... Não consegui encontrar a cena inteira do beijo no youtube, mas encontrei vários AMV's com o momento, estando entre eles o vídeo abaixo (01:04).


06 - Kagome e InuYasha (InuYasha)
O tão aguardado beijo entre InuYasha e Kagome acontece numa outra dimensão. Só podia! Bem, antes desse houve um beijo no segundo filme da franquia, mas é como se ele não houvesse existido, entende? Eu quase que não acreditei quando vi essa cena, mas se bem que ele tinha que beijar ela, já que passou o anime todo beijando a Kikyou. Esse momento "sobrenatural" acontece no retorno da série, InuYasha Kanketsu-hen, logo no último episódio, então depois não venha se vingar porque assistiu os 167 episódios de InuYasha e não encontrou, ok? Voilà:

05 - Shion e Nezumi (No.6)
Um anime que fez com que fãs entrassem em delírio ano passado (2011), mais precisamente no episódio 7, foi No.6. Shion surpreendeu todos ao dar um beijo de despedidas no rato mais sexy (não acredito que estou escrevendo isso) já existente. Quando vi a cena senti toda a nação "fujoshiana" gritando rs. Realmente foi algo intenso! Cena aqui:


04 - Misaki e Usui (Kaichou Wa Maid-sama)
Quero muito uma segunda temporada desse anime, pois acompanho o mangá e a história está cada vez melhor (se isto é possível). Usui Takumi é uma espécie de príncipe de outro mundo, já Misaki é uma garota pobre e nervosa que não gosta que ninguém se meta em sua vida. Já viu algo parecido em algum lugar, né? Bem, o que destaca KWMS das outras histórias do gênero é a comédia, os personagens carismáticos e esse romance clichê que existe entre os protagonistas. Acho que é por isso que amo tanto esse anime! Elegi o último beijo (do anime, lógico) como o melhor, já que é antecedido de uma declaração super fofa dos dois (03:10).


03 - Taiga e Ryuuji (Toradora!)
Beijo fofo logo no final do anime é o que podemos encontrar assistindo 'Toradora!'. O casal é fofo, ela (Taiga) mais parece um bibelô que tenho aqui em casa e a cena tem um diálogo bem apaixonado. Gostei e coloquei aqui, então não me julguem.


02 - Yuuki e Kaname (Vampire Knight)
E para a alegria das kanametes, eis aqui o beijo mais sombrio da minha listinha. Depois do Zero enrolar mais e mais nossa pequena Yuuki, Kaname veio, deu uma mordida no pescoço dela (como um vampiro de vergonha), depois tirou sangue de seu pulso e o transferiu para ela através de seus lábios. Kaname ultimamente anda meio sem noção no mangá, matando todo mundo e aparentando não ligar mais pra ela, mas não podemos negar que até agora ele teve mais atitude que o Zero. Essa cena pode ser encontrada em Vampire Knight Guilty (segunda temporada de VK).


01 - Hachi e Nobu (NANA)
NANA é outra obra de Ai Yazawa que virou animação, enlouqueceu a cabeça de várias "gurias" e deixou para mim mais uma árdua tarefa: qual beijo escolher? Quando a ideia de escrever este post pairou sobre minha cabeça, eu, ser iluminado (?), não fazia ideia de quais beijos eleger... Então fui ao twitter apelar para a ajuda de uma especialista (e amiga). Nem imaginava que ela ia me dizer um beijo de NANA (tá, desconfiava rs), mais especificamente do casal Nobu e Hachi. Particularmente amo muito esse casal (sendo que até chorei quando a Hachi descobre que está grávida de Takumi) e fiquei super feliz em colocar este beijo na primeira posição do TOP. Porque ele é perfeito? Hachi é uma mulher iludida, que passa por várias decepções amorosas, até deparar-se com Takumi, seu ídolo, ao qual se entrega e depois descobre sua frieza. Nobu, que sempre estava ao seu lado, é um rapaz mais que apaixonado, que está disposto a aceitá-la do jeito que ela é, arriscando até ser decepcionado futuramente. Esse beijo simboliza um momento único na vida da Hachi, pois é a hora em que ela escolhe ficar do lado dele e esquecer Takumi (beijo aos exatos 01:57). Ah, e é sob a luz de um intenso luar!


Ufa, terminei! Queria muito ter colocado outras cenas, mas ia tomar muito meu tempo e eu já estou meio cansada de tanto digitar. Não sei se acertei nas escolhas, mas para mim foram esses os beijos que mais marcaram... Ah, e tem um em KareKano que é a coisa mais fofa, mas deixa para a próxima.

Beijos e até!


ATUALIZAÇÃO! Sempre esqueço de lembrar-vos de seguir o blog e o twitter do mesmo. Gente, se vocês costumam visitar o blog, saibam que não custa nada ajudar seguindo tanto o blog (clicando em 'Participar deste site' no lado direito) quanto o nosso twitter (você pode seguir o @blogdaraio_, que é o aconselhável, ou o meu pessoal, @raiomara). Apoie também comentando, pois cada comentário é um incentivo para que posts mais e mais incríveis sejam feitos.


segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Mawaru Penguindrum

Oi. Hoje estou deixando aqui uma análise (até que enfim) que tive a sorte de preparar tranquilamente. Aqui falarei de um anime emocionante, fofo e calmo (nem tanto) que tive o prazer de começar devido à um comentário no twitter. Tentei fazer o texto ficar bem limpo e claro, então acho que ninguém terá dificuldades em o ler. Ah, contém spoilers! 
A história começa com um prólogo sobre destino, nos fazendo refletir sobre o que seria esse "destino", que apesar de já ter sido escrito nos obriga a vivê-lo e a passar por todos os sofrimentos e felicidades por ele orquestrados. Bem, e afinal, o destino realmente existe? Não é apenas uma escapatória que as pessoas encontraram para ficarem sentadas esperando sua vida, já escrita, passar? Em Mawaru Penguindrum, logo na sinopse encontramos dois irmãos tentando driblar esse destino, lutando para evitar a morte inevitável (sentiram os antônimos?) de sua irmã caçula, que sofre de uma doença terminal.
Himari, Kanba e Shoma formam uma família de irmãos que, após um atentado e a fuga de seus pais, principais suspeitos, vivem sozinhos em uma casa no subúrbio de Tóquio. Eles praticamente brincam de casinha, sendo que essa tranquilidade acaba quando Kanba e Shoma descobrem que Himari está com os dias contados. Num passeio, após comprarem um estranho chapéu de pinguim, Himari é encontrada desmaiada e levada ao hospital, onde morre. Tudo parecia estar perdido, mas como tudo isso ocorre no primeiro episódio, onde tudo estava começando, algo aconteceria. Num quarto fechado, diante do corpo coberto da irmã, os irmãos entram em desespero, mas esta situação não demora muito, já que Himari, com o chapéu-pinguim sobre a cabeça, levanta e começa a falar em estratégia de sobrevivência. A partir desse dia toda vez que Himari coloca esse chapéu ela entra em uma espécie de transe, sendo que uma espécie de princesa alienígena pinguim passa a controlá-la.
Até agora todos os acontecimentos poderiam fechar a ideia de um anime totalmente nonsense, mas ainda no primeiro episódio, para deixar tudo ainda mais confuso (ou não), os irmãos recebem uma caixa com três pinguins, que servirão para ajudá-los numa busca, que posteriormente parece mais absurda do que já é. A 'princesa pinguim' ordena, como uma condição para Himari continuar viva, que eles encontrem o Penguin Drum (tambor pinguim?). Tudo poderia ser mais fácil se a mesma dissesse o que é este Penguin Drum, mas ela só diz que está com Oginome Ringo. Pronto, a trama já está se moldando.
Por conter tantos elementos diferentes no primeiro episódio, muitas pessoas podem até pensar que o anime é ruim. Tá, a questão do incesto levantada no epílogo do primeiro episódio pode até confundir a cabeça de alguns moralistas, mas alerto desde já que nada é o que parece.
Não há dúvidas sobre os simbolismos que existem no anime, sendo que alguns significados para os mesmos são tão pessoais que fica até difícil de dizer aqui. O que percebi logo na abertura é que os dois irmãos, Shota e Kanba, formam uma espécie de yin-yang. Ao assistir cada episódio suscitava em mim essa ideia, pois ambos são o oposto, mas vendo de um outro lado, são completamente iguais. Está bem, parei de filosofar!
Com a missão de obter o Penguin Drum que estava, provavelmente, com uma garota nervosa chamada Ringo, os dois irmãos começam a perseguí-la e descobrem que a mesma é uma perseguidora, que tem como objetivo central de sua perseguição Keiju Tabuki, professor dos dois garotos e amigo de infância de Momoka, irmã de Ringo que morreu no dia em que ela nasceu. Basicamente, por incrível que pareça, a trama toda gira em torno de uma data em especial: 16 anos atrás, dia em que Momoka morre no atentado (sim, aquele já mencionado) e Ringo, Kanba e Shota nascem.
Tudo me leva a crer que, se formos ter em mente os simbolismos do anime, esse atentado fora aquele ocorrido em 1995 ao metrô de Tóquio (podemos verificar isso através do número 95, símbolo que sempre estampa o metrô em momentos peculiares).
A animação pode ser dividida em duas fases: a primeira, com um ar mais cômico, e a segunda, possuindo um ar mais "pesado", devido às fortes revelações. Não posso esquecer de citar como um dos principais responsáveis por esse lado cômico da série, os pinguins. Fofos, inteligentes (?) e numerados de um a três (com exceção da pinguim Esmeralda), possuem as características de seus "donos", sendo que o #1, pinguim de Kanba, é meio tarado; o #2, de Shoma, é muito guloso; e o de Himari, #3, gosta de tricotar. As situações em que eles sempre se encontram enquanto seus "donos" conversam são, na maioria das vezes, hilárias.
Por um bom tempo temos a impressão de que toda a história se focará na Himari e na Ringo, com seu diário do destino e seu Project M, mas a segunda fase, mais obscura que a anterior, começa a mudar a direção da história. Quando eu já estava crendo que o anime seguiria uma direção mais shoujo, com Ringo e Shoma aumentando sua aproximação, tudo muda em um único capítulo, e somos apresentados ao misterioso Sanetoshi, "fantasma" ou "maldição" que agora, após matar vários inocentes, inclusive Momoka, no atentado do metrô, e ter morrido no mesmo, quer tentar novamente realizar seu plano. Que plano seria esse? Destruir o mundo, ou melhor, a sociedade!
Paramos para pensar e decidimos torná-lo o grande vilão da história. Tá, ele é o vilão. Mas se formos analisar todas as histórias tristes por quais cada personagem passou, os grandes vilões não seriam aqueles pais que abandonaram seus filhos na "estufa de crianças" para elas tornarem-se "invisíveis"? Certamente sim. A sociedade também é a grande vilã.
Tudo, em cada episódio, muda muito rápido. Uma hora os pais de Shoma estão ajudando Himari, dando dinheiro para seu "tratamento" à Kanba, outra hora descobrimos que estavam mortos e Kanba delirava imaginando-os. Uma hora os três eram os irmãos unidos e inseparáveis, outra eles não tinham qualquer elo sanguíneo e Himari era a alma gêmea de Shoma. Espera... Não! Tudo é tão rápido, é tanta informação em um instante que ficamos sem entender muita coisa, sendo que muitas vezes é bem melhor voltar a um trecho do episódio.
Natsume, a que pensávamos ser a perseguidora de Kanba, é na verdade sua irmã gêmea. Yuri, uma atriz linda e aparentemente  perfeita é na verdade uma bissexual (ou lésbica?) apaixonada desde criança por Momoka. É com essas e outras que embarcamos no mundo de tantas respostas para perguntas que nem fazíamos ideia que existiam. Quem seriam os pais de Himari? Que fascinação é essa por pinguins? Porque pinguins? Porque tanto Shoma, quanto Kinba estavam presos em caixas? São muitas perguntas que não sei se possuem respostas, mas são essas que deixam tudo mais abstrato do que já é.
Genialidade? Sim. O passado de Tabuki e Yuri, ambos personagens ligados à Ringo, me mostrou algo mais complexo do que uma simples história triste. Mostrar o que eles passaram como crianças, todo o sofrimento, e a descoberta de uma pessoa que dissesse que os amava, me mostrou algo que nunca encontrei em um anime; um aspecto ímpar. Não quero puxar esse texto para comentar as outras histórias, nem mesmo comentar o final do anime. Só queria escrever aqui minhas impressões, pois o final é tão complexo que é preferível assistí-lo, não lê-lo.
Sobre a direção: a série tem como diretor Kunihiko Ikuhara, mesmo diretor de Sailor Moon e Revolutionary Girl Utena
Gastura: para obviamente poupar gastos, colocaram aqueles "bonequinhos que encontramos em placas", para substituir os passantes. A animação é tão boa que vou deixar isso de lado, mas realmente me incomodou.
Curiosidade: a história foi inspirada no livro "Viagem Noturna no Trem da Via Láctea", de Miyazawa Kenji. Ah, e esse livro foi traduzido para o português e pode ser comprado online facilmente! 

Espero que tenham gostado!