terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Anúncio: Novo Projeto de Anime de Shungiku Nakamura

Enquanto baixava um filme, respondia emails (sério, não sabia que após deixá-lo às moscas durante um mês, haveriam mais de 400 mensagens esperando minha alma), atualizava o twitter e conversava no face, eis que uma notícia do Blyme Yaoi tirou meu foco e abalou minhas emoções e sentidos. Bom, a notícia anunciava, nada mais, nada menos, que um novo anime baseado em uma obra de Shungiku Nakamura. Como ainda há uma suspense, não podemos afirmar se trata-se de uma terceira temporada de Junjou Romantica ou de Sekai-ichi Hatsukoi, mas podemos garantir que o anúncio não será Hybrid Child, pois o mesmo já foi anunciado. Ah, e ainda existe a possibilidade de que seja uma história inédita... Aiai!
A notícia em inglês saiu no ANN, então traduzi e adaptei os dois primeiros parágrafos do texto (o resto era besteira). A seguir:
A edição de abril da revista Ciel Trés Trés está anunciando que existe um novo anime baseado em um mangá BL da autoria de Shungiku Nakamura em produção. De acordo com a edição da revista, "o 'novo anime' que está sendo anunciado não é Hybrid Child". A revista já anunciou o anime de Hybrid Child em julho do ano passado. A Ciel Trés Trés diz que o novo anime ainda é "segredo" e que novos detalhes serão anunciados na próxima edição da revista, em 30 de março.
Nota da Raio: Tenho grandes expectativas em cima de uma terceira temporada de Junjou Romantica, já que com as comemorações de 10 anos de publicação, o anúncio de um anime seria o mais apropriado para o momento.


GRITOS DE ANSIOSIDADE AQUI!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Junjou Romantica

E como era previsto, minhas férias chegam ao fim! É, foi bom enquanto durou. Sayounara, queridas madrugadas em claro, tardes agitadas e leituras descompromissadas. Agora começarão minhas aulas na facul, meu tempo se reduzirá e não poderei mais escrever com tanta frequência. Estava até pensando em escrever algo no próximo mês, mas não aguentei e vim deixar um texto que fiz em comemoração aos 10 anos de Junjou Romantica, um dos mais conhecidos e amados yaois de todos os tempos. A seguir minha pequena 'homenagem':
Como já mencionei por aqui, entrei neste 'mundo yaoi' na metade do ano passado e tive como precursor o tão elogiado Sekai-ichi Hatsukoi. Fico feliz por ter escolhido este como primeiro, pois foi ele que me apresentou o BL e me transformou em uma fujoshi obcecada. Se você conhece as obras de Shungiku Nakamura, deve ter se espantado com o que acabei de escrever. A maioria teve o primeiro contato com as obras da mangaká por intermédio do famoso Junjou Romantica, que começou a ser publicado em 2002 pela revista Asuka CIEL, da editora Kadokawa Shoten. Junjou Romantica, a meu ver, inovou o gênero, pois apresenta um enredo leve, personagens que possuem uma conexão e história com foco em três casais, ao invés de um. 
Nakamura me ensinou a boa tática de agradar o público apresentando casais diversificados, assim quem não gostar de um pode se identificar com o outro e continuar consumindo o produto. O que me assustou um pouco assim que comecei a assistir Junjou foi a grande diferença de idade existente entre parceiros de cada casal. Ok, isso não é nada se formos analisar os shotas da vida, né? rs
Como já citei, a história tem como foco três diferentes casais, sendo que ambos estão envoltos a um clima de 'puro romance'. Cada casal tem um título, sendo que o principal (e mais apaixonante) é o Junjou Romantica. Os outros, e não menos importantes, são Junjou Egoist e Junjou Terrorist, fechando assim, a sinopse de tudo (ou não). A seguir a história que se passa por trás de cada casal.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Primeiras Impressões: Inu x Boku SS

Para retornar com as reviews, resolvi falar de minhas primeiras impressões em relação a Inu x Boku SS, o anime que está me fazendo morder a língua, apenas por ter dito que não havia nenhuma história delirante nessa temporada de Inverno - 2012 (clique aqui se você está boiando). Bem, eu realmente achava que Inu x Boku SS não se destacaria. Não sei os motivos que me levaram a ter tal ideia, mas me arrependi amargamente quando vi alguns gifs dos primeiros episódios no tumblr. Putz, como dois protagonistas podem ser tão fofos? Não sei. Foi esse o motivo principal que me levou a assistir o primeiro episódio, e depois o seguinte, até me dar conta que realmente estava amando não só os personagens, mas também o enredo central e a trilha sonora.
Inu x Boku Secret Service ou Youko x Boku SS tem como personagem principal Ririchiyo Shirakiin, uma garota que vive angustiada por não conseguir expressar seus verdadeiros sentimentos às pessoas, sendo este o motivo de sua mudança para Ayakashi Kan, uma mansão especial, onde somente "ricos" e "celebridades" podem viver. Sua decisão de viver nesse lugar deve-se ao fato de querer ficar sozinha.
Ao chegar à mansão, Ririchiyo passa a conviver diariamente com Soushi Miketsukami, um agente do Serviço Secreto que, apesar de inicialmente ser rejeitado, passa a ser seu guarda-costas. O que ninguém 'normal' sabe, e que descobrimos no final do primeiro episódio, é que todos que residem nessa mansão, inclusive os agentes, são meio-youkais (humanos com sangue de youkais) e que usam esse local como forma de proteção.
Nesses primeiros episódios, um dos fatos que ainda não ficaram esclarecidos é a total dedicação de Shoushi a Ririchiyo. O mangá, ao que parece, já esclareceu isso, mas como não estou com tanta vontade de ler, no momento só posso dizer que eles possuem uma conexão que existe desde o passado, por mais que Ririchiyo não se recorde. Como até agora só foram exibidos seis episódios, muita coisa ainda vai rolar, por isso não ficarei aqui alimentando ilusões ou, muito menos, agindo como Mãe Diná. Ah, e para não deixá-los 'boiando' futuramente, decidi deixar a seguir um pequeno resumo de cada personagem.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Eu quero! - Action Figures de Fullmetal Alchemist

Como faz um tempinho que não posto coisas aleatórias, venho aqui mostrar-lhes as novas e lindas figures de Fullmetal Alchemist. Esses são os novos revoltechs (figures articuladas da companhia Kaiyodo) da série, que estarão disponíveis a partir de 15 de março (Edward Elric) e abril (Alphonse Elric). Custarão cerca de  ¥2980 ienes ($39 dólares). Nem precisa falar que os quero muito, né? Aceito doações, já que ainda não faço parte da classe proletária. Notícia retirada daqui. Clique nas imagens!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

No. 6 - Capítulo 4

Yo minna! Primeiramente, gostaria de agradecer por todas as mensagens de carinho e de apoio que recebi de vocês, tanto nos comentários, no twitter e no facebook. Sério, graças a elas consegui levantar a cabeça e conversar com minha mãe normalmente. Ainda não quero conversar com ela sobre yaoi, mas pelo menos estamos fingindo que nada aconteceu. Sei que isso não é algo tão bom, mas vindo dela, isso pode ser considerado um milagre. :) Ah, e antes que me joguem pedra por passar 'séculos' sem postar, posso dizer que tudo isso é devido à meu trabalho em No.6. Para mostrar que é verdade, eis que venho aqui trazer mais um episódio desse mangá, que está a cada dia me encantando mais e mais.

Minhas férias estão acabando, então não tenho uma previsão de quando poderei trazer mais um capítulo, pois quero muito voltar a escrever posts enormes. Um capítulo desses dá muito trabalho e consome muito tempo. Mesmo com super poderes uma pessoa não é capaz de fazer tudo, por isso estou tentando selecionar prioridades. O que posso adiantar é que não sumirei daqui por muito tempo...

Bye!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Tudo isso só porque gosto de Yaoi!

Bom, aqui quem vos fala é uma fujoshi assumida, uma garota com a maior idade já constatada por lei, e uma jovem incompreendida. Lá vai: como permito que meu irmão use meu computador, ele decidiu visitar minha pasta de 'músicas da Xuxa' e lá encontrou meu lindo acervo de yaoi (que vai do shounen-ai ao lemon). Ok, a parte boa? Nenhuma! Por ser um idiota machista, que não sai do Grand Chase para ler algum site de notícias ou um livro, ele resolveu fazer o favor de falar para minha mãe que tenho 'pornô homossexual em anime' no meu computador. Contendo minhas lágrimas de tanta vergonha, resolvi escrever aqui minha indignação, pois se eu for ligar para qualquer outro amigo pedindo consolo, ele não me entenderá, já que yaoi ainda é uma palavra em desuso no meu círculo social. Já falei sobre yaoi aqui, porém naquela época ainda não assistia lemon. Com o passar dos títulos, tudo passou a ficar mais natural para mim, sendo que nada mais em um lemon pode me assustar. Explicação para o fato de uma garota gostar de ver dois homens se beijando em um anime? Não sei! Yaoi se tornou algo tão essencial em minha vida, algo tão normal, que acabei esquecendo de me perguntar o motivo. Às vezes me pergunto porque gosto disso e porque não tenho a cabeça preconceituosa como outras pessoas, mas por ter internet, e por aqui não me sentir só, vim aqui desabafar.
Se tenho medo? Tenho receio. Receio de que por gostar de tal material minha privacidade seja invadida e que meu bom senso seja posto à prova. Minha mãe já me mostrou várias vezes, por meio de palavra pejorativas, que ainda vive no século passado. Viver nessa casa agora será um tormento, tudo por não conseguir falar abertamente com ela sobre nada.
Não sei realmente porque gosto tanto de yaoi, mas comecei a assistir Sekai-ichi Hatsukoi (imagem acima) e descobri que meu coração batia mais forte toda vez que o Onodera ficava vermelho vendo o Takano. Outra coisa que seduz é o mistério, a relação 'proibida'. Mesmo sendo hétero, tenho muito respeito por homossexuais, e acho a relação entre eles a coisa mais linda do mundo, então porque a sociedade me critica só por assistir e ler títulos do gênero?
Pessoalmente tenho vergonha de explicar sobre yaoi, pois vejo que tenho alguns amigos com a cabeça muito fechada para o mundo. O que queria deixar claro é que não assisto yaoi fantasiando algo (como muitos devem pensar), mas sim admirando a beleza da relação entre dois garotos que se amam. Bom, queria também afirmar que gays costumam não gostar de yaoi. Tá, a maioria dos fudanshi são gays, mas se formos analisar as estatísticas, o público que gosta de tal 'produto' corresponde mais ao feminino. Não sei direito o motivo disso, mas acho que é porque a relação, os esteriótipos e a maneira como a história é abordada seja mal vista pelo público homossexual.
Você é lésbica? Não, que eu saiba. Boys' Love é uma preferência que tenho, assim como você pode ter por shoujo, novela mexicana... Yaoi é feito por mulheres, e seu mercado tem como foco o público feminino, então posso me considerar 'normal', pois estou dentro da faixa.
Porque estou falando isso abertamente aqui? Esse é meu blog, e meus pais não o leem. Pronto. Se eles prestassem mais atenção em mim, tais absurdos não ocorreriam. Queria muito que eles olhassem ao redor, vissem garotas da minha idade com um filho nos braços, jovens usando droga, assim eles levantariam as mãos para o céu por ter uma filha que se informa, estuda, e que passa as férias em casa.
Você ainda pensa em sair de casa e ir morar só? Não é tolice esse meu desejo de sair de casa. Pensei bem, estudei os planos e calculei os gastos. Ainda não estou trabalhando por respeito aos meus estudos, pois não quero interferir no meu desempenho, mas assim que conseguir um 'trampo' quero juntar meu salário e partir dessa para uma melhor (não, não vou morrer).
Seu irmão é mesmo cruel? Ele é infantil, só isso. A crueldade dele é por ter um segredo meu nas mãos e agora o usar de forma defensiva. Sou sua irmã mais velha e é normal que briguemos, mas ele deveria saber que, por ele ter 16 anos, deveria não brincar com os sentimentos da própria irmã desse jeito.
Você é uma infantil por chorar! Com a família sem noção que tenho, tenho vergonha de expor esse meu lado logo pra minha mãe, que é um tanto quanto conservadora. Os olhares dela é que me fazem chorar.

Enfim, decidi escrever como desabafo. Em breve novo post!