sábado, 21 de julho de 2012

Uta no Prince-sama

Desapareci? Desculpem-me. Estou ocupada lendo, e logicamente arrumando os últimos preparativos para a volta de No.6 para este blog (yeah!). Como faz um tempo que não posto, fiquei refletindo no que seria interessante comentar para vocês, mas a fonte secou, e não consegui pensar em nada de primeira. Na falta de assunto, comecei a pensar nos animes dos quais gostei e que ainda não comentei por aqui. Taaantos... E dentro desses tantos, passeando pelo tumblr, decidi falar sobre um dos meus amores, um anime cativante tanto pelas músicas, quanto por seus bishounens super estilosos. Sim, estou falando de Uta no Prince-sama ~ Maji Love 1000%, ou simplesmente Uta-Puri.
Uta no Prince-sama, como uma típica história do gênero harém ao reverso/bishounen, tem como foco central uma garota tímida, meiga, esforçada e altruísta, ou seja, uma garota que possua todas as características com as quais a maioria das garotas se identificam. Essa garota, por algum mistério ou força oculta, sempre entra em situações nas quais tem que lidar com um dos bishounens da trama (moços lindos que eu gosto de definir como 'quase andrógenos'). Cada um dos rapazes, por sua vez, representa um esteriótipo que costuma agradar as garotas, em sua maioria: tem o esquecido, o super feliz, o "I'm sexy and I know it", o cara legal, o tsundere... Enfim, reúnem esses personagens, e colocam uma garota, que pode representar qualquer garota. É, a história funciona mais ou menos assim, com todos os caras a querendo, mas ao mesmo tempo tendo relacionamentos conturbados entre eles próprios, relacionamentos esses vistos por olhos de uma fujoshi de outra forma...
Se o que falei soou como um resumo de um jogo de relacionamentos para meninas, é porque realmente o é. O anime de Uta no Prince-sama é baseado em um jogo de relacionamentos de mesmo nome, lançado pela Broccoli em 2010 para PSP. Baixei o jogo, mas não tive sucesso na hora de conseguir emular, então não posso comentar sobre ele, mas como após seu lançamento surgiu uma versão mangá, posso presumir que foi um sucesso.
A história é a seguinte: Nanami Haruka, uma garota que mora com sua avó no interior, após se apaixonar por música decide então entrar em uma academia especializada em formar ídolos, para assim realizar seu sonho de se tornar uma compositora. Como já era de se esperar, com o decorrer dos episódios ela terá contato com jovens lindos, ricos e desimpedidos. Na academia cada aspirante a ídolo terá que fazer parceria com um aspirante a compositor, o que coloca Haruka em maus lençóis, já que os seis jovens que a cercam querem fazer parceria com ela, e ela, por regras da academia, não pode namorar nenhum deles. E é assim que a história segue seu rumo.
Uma das coisas que mais me encantam em Uta-Puri são as músicas que os garotos cantam no decorrer da trama. Sério, são muito bem interpretadas, e grudam na cabeça, mas nenhuma delas supera a música de encerramento, que é tão chiclete que você pode passar o dia todo cantando (eu?), e além disso vem acompanhada de uma coreografia pra lá de exagerada (e legal)! Os personagens, a primeira vista, aparentam possuírem uma certa ausência de profundidade, ou seja, são planos. Porém, ao decorrer da história podemos perceber que cada um possui um passado conturbado, e isso nos ajuda a tentar compreender mais eles, mas não deixa uma abertura para vermos mais "características humanas", se assim posso dizer. O anime funciona como um jogo, onde todos os caras em volta da garota tendem a se mostrar perfeitos, e isso acaba estragando a amplitude de cada um. Mas, fazer o que, já que o que anime propõe é basicamente o que ele cumpre: um harém e uma garota sem sal como protagonista!
O ruim de tudo isso é que Haruka nunca se decidirá a ficar com alguém, e os garotos continuarão dizendo em bom tom "eu amo... a sua música", o que me faz querer correr para um shoujo cute cute qualquer. Uta no Prince-sama é um anime divertido de se assistir, e um prato cheio para qualquer fã de yaoi. Para quem ainda não sabe, já anunciaram que o anime terá 2ª temporada, pena que ainda não mencionaram a data. Enquanto isso indico a leitura do mangá, que é a mesma história, para assim acalentar vossos corações.

Bye, bye!

terça-feira, 17 de julho de 2012

Comi-Con 2012 - Meus destaques

Olá de novo! Como se sentem com vários posts emergindo das trevas constantemente? Eu ainda estou engolindo isso tudo, sabe? É estranho! Pra quem estava tão ocupada, acho que esse tempo ocioso me fez parar um pouco pra pensar na vida. Não, não é filosofia de meia tijela. É algo realmente importante. Tipo, você tem que descobrir mais ou menos se o rumo que sua vida está tendo é realmente o certo, ou mesmo aquele que vai te levar ao paraíso de prazeres exóticos. Que seja. Acho que esse tempo in off do mundo (passei até uma semana com o celular desligado e sem usar o facebook, só pra não ter contato mais com ninguém) é bom pra se refletir mais. A vida é bela, é sua, e é curta, então você deve de vez enquando pensar no que anda fazendo. Acho que esses "xaropes" rotineiros são agradáveis, e não fazem mal.
Outra coisa que gostaria de comentar antes de realmente começar o post é que meu mp5 realmente morreu. Pelo visto ele não mais voltará a afuncionar. Isso é realmente triste. Ele era meu único bem valioso, aquele no qual eu tinha depositado vários esforços, já que vendia chocolate na escola pra poder comprá-lo. Com ele eu vivi momentos inesquecíveis. Por causa dele quase fui parar na detenção uma vez, sendo que ele passou um dia confiscado na sala do diretor. Sentirei falta!
Mas, como a vida continua, vamos falar de coisa boa? A Comic-Con, aquele evento que ocorre durante quatro dias todo ano, em San Diego, Califórnia. Gosto de chamá-lo de 'evento pop', já que é o maior evento de cultura pop do mundo. Uma das coisas que mais chamam atenção na San Diego Comic-Con International é que são realizados vários painéis, e em cada um reúnem-se autores, diretores, atores, roteiristas, enfim... É um evento prestigiado por celebridades de diversos ramos, que vão para o evento divulgar certo trabalho, como um filme, por exemplo. É essa a graça de acompanhar uma Comic-Con, e é isso que resolvi dividir com vocês hoje: meu resumo desdes quatro dias de 'evento pop'.
1 - Conferência de Imprensa - Breaking Dawn Part 2
Sabe quando você está louca pra assistir o filme, mesmo já sabendo a história e o final, mesmo já sabendo que SIM, este é o fim? Pois bem, a Saga Crepúsculo, que desde 2008 vêm me brindando com seus filmes, esse ano se esvairá. Estou sentindo a mesma coisa que senti antes do último filme de Harry Potter ir às telonas. Esse painel de Amanhecer, ou Breaking Dawn, que seja, foi praticamente uma despedida do elenco para com os filmes, ou até mesmo para com os personagens, sendo que a única coisa certa é que não foi uma despedida para com os fãs, já que os fãs da saga nunca os deixarão em paz. Bem, eu assisti a conferência e confesso que me emocionei bastante. Ah, e também ri bastante, já que Robert e seu charme e humor britânico sempre me impressionam. Ele é hilário. Bom, nessa mesma entrevista estiveram juntos Stephenie Meyer (autora da série), Mackenzie Foy, Taylor Lautner, Robert Pattinson e Kristen Stewart, que tiveram que responder várias perguntas sobre o set de gravações, a evolução de seus personagens, e até o que acharam um do outro na primeira vez que se viram.
Bom, momentos que gostei:
- Kristen na primeira vez que viu Robert Pattinson gostou de suas calças.
- Kristen se esconde debaixo da mesa quando Taylor começa a elogiá-la; Pattinson, confuso, olha para o lado e fala "pensei que estavam rindo dele".
- Quando perguntam sobre uma nova franquia da saga com outros atores interpretando seus papéis Robert diz que acharia legal, só que faria uma campanha contra eles nas redes sociais.
- Kristen diz que se Stephenie dissesse que está escrevendo outro livro ela pediria logo para lê-lo, e com certeza aceitaria interpretar Bella novamente.
- Robert então começa a dar sugestões para Stephenie sobre o que ela poderia abordar em uma suposta sequência: Edward e Bella podem se divorciar e tudo ficar tipo Sr. & Sra. Smith.
- Robert diz que (no Brasil) bateu o barco, e que na cena da cachoeira estavam ele e Kristen com roupas de banho cercados por câmeras e vários soldados do exército brasileiro com armas.
- Stephenie fala que se tivesse uma continuação, provavelmente seria daqui a mais ou menos 20 anos, e que seria uma história sobre Renesmee.
Também foram exibidos alguns clipes do filme, que mostram os primeiros momentos de Bella como vampira. Stephenie me pareceu muito orgulhosa do elenco, e falou que pouco a pouco via seus personagens neles.
2 - Painel de The Legend of Korra
The Legend of Korra foi um dos painéis destaques do evento, já que com o fim do primeiro livro todos querem logo saber as novidades dos próximos. Teve até sessão de autógrafos com os criadores e com os dubladores dos personagens principais: Korra, Mako, Bolin e Asami (foto acima).
Valeu à pena acompanhar o painel? Se valeu...
- Segundo livro se chamará 'Espíritos', e começa seis meses após o término do livro 1. Nesse livro Korra entrará no mundo espiritual, e no meio da temporada será explorada a criação do Avatar (se não me engano dois episódios tratarão apenas disso).
- Livro 2 começa em Republic City, mas aos poucos os personagens visitarão cidades das demais Quatro Nações (cidades já conhecidas e outras novas).
- Confirmados livros 3 e 4, sendo que o 3 já está sendo escrito.
- Livro 2 ainda está em processo de animação.
- Na nova temporada Asami assume as indústrias do futuro, Mako se torna policial e Bolin continua sendo um Furão de Fogo, com dois novos membros na equipe.
- Bumi, irmão de Tenzin irá se juntar ao Time Avatar; conheceremos mais a família de Korra, e boa parte do livro se passará na Tribo da Água do Sul.
Mais detalhes vocês podem conferir aqui. O que mais curti nesse painel foi a divulgação das artes conceituais, onde podemos ver os novos looks dos personagens. Notemos que ambos estão com roupas de inverno, já que agora enfrentarão o clima frio da Tribo da Água do Sul. Galeria de artes conceituais à seguir:

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Santlov - Criatividade no Instagram

Olá, companheiros de insanidade. Como estão? Bom, estou óti- péssima! Estou quase em luto por um companheiro de anos, que me acompanhou até hoje nessas minha longa jornada de solidão: meu mp5. Ele não tá ligando desde hoje de madrugada, e já não sei mais o que faço. Minha mãe (acho que vendo meu estado caquético de desespero) decidiu falar com meu irmão e pedir pra ele tentar ajeitar, ou seja, hoje de tarde ele vai levar meu bebê pra um amigo dar uma olhada, e quem sabe resgatar minhas músicas amadas. Sim, ainda pode haver uma luz no fim do túnel.
Bom, mudando de assunto, hoje descobri um Instagram super legal, que percebi que tem muita coisa em comum comigo e, principalmente, com este blog. O nome desta galeria super divertida é Santlov (ou o apelido do fotógrafo, que seja), onde podemos encontrar fotos bem diferentes de diversos personagens que amamos. Tipo, ele tem vários bonecos, como o Woody, por exemplo, e tira fotos deles em situações bem comuns para os usuários do Instagram. É meio que uma ironia!
Pra quem não sabe, Instagram é um aplicativo que até pouco tempo atrás só era usado por pessoas que tivessem um iPhone (mas isso mudou haha), ou seja, era mais ou menos algo exclusivo da elite. Eu ficava tipo só olhando as fotos que os twitteiros soltavam e notei que eram basicamente parecidas. Tipo, os usuários sempre batiam fotos de comidas, bonecos que tinham na estante, de sandálias (é, eu sei), ou de um sorvete caro que eles comiam apenas porque estavam afim de comer. O engraçado no Instagram do Santlov é que ele posta fotos desses bonequinhos pop, onde os mesmos estão nessas mesmas situações, como se eles fossem usuários compulsivos do aplicativo. São fotos muito fofas!

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Sekai-ichi Hatsukoi - O Caso de Yoshino Chiaki 2 [DOWNLOAD]

Olá, pequenos. Bom, com a chegada das férias, acho que vocês devem ter notado que dei uma ajeitada no blog, tirando as teias de aranha e dando um novo visual à essa página virtual. É, com esse tempo livre consegui também terminar mais um capítulo de um de nossos projetos: Sekai-ichi Hatsukoi - O Caso de Yoshino Chiaki. O segundo capítulo, que se encontra no final da segunda novel com o mesmo nome, não é tão extenso como o anterior, mas é tão fofo quanto. Ainda esse mês pretendo lançar mais um, ou talvez dois capítulos de mais outros projetos, então não durmam no ponto e fiquem ligados.

O Caso de Yoshino Chiaki trata da história de Yoshino e Hatori, dois amigos de infância que trabalham juntos e, com o tempo, começam um relacionamento, desvendando assim sentimentos antes desconhecidos. Obra da sensacional Nakamura Shungiku, autora do clássico fujoshi Junjou Romantica.
Bom, e para os perdidos, por causa de problemas com os links também re-upei o primeiro capítulo, então vocês podem fazer o download clicando aqui (Mediafire).
Até a próxima!

sábado, 7 de julho de 2012

Mangás e HQs - A homossexualidade na mira do mercado e suas polêmicas

Muitos de vocês já devem saber de uma das últimas façanhas da DC, não é? Logo após o primeiro casamento gay da história dos quadrinhos, que ocorreu na Marvel, entre o mutante Estrela Polar e seu companheiro de loga data Kyle Jinadu, na edição #50 de Surpreendentes X-Men, a DC resolveu bater de frente com a concorrente e reintroduzir em um reboot o Lanterna Verde original, Alan Scott, lá de 1940, como gay, o que pode ser visto em Earth 2 #2. Com isso, alguns mal humorados, que se dizem "não preconceituosos, mas não aceitam que seus personagens sejam modificados assim pela indústria", saíram na grande rede esculachando, pois querem seus personagens como eles são, sem modificações. Esse post é dedicado à todos vocês, "especialistas" babacas da blogosfera, que aceitam seus personagens serem mortos, ficarem paraplégicos, mas não gays. E digo mais, certas estão a Marvel e a DC, que não são bobas nem nada, e querem alcançar um mercado em ascensão. Com polêmicas, ou sem polêmicas!
Não é de hoje que esse assunto ronda o universo dos quadrinhos, já que personagens gays são o que não faltam nas encadernações americanas e japonesas. Mas essa retomada do tema pode ser encarada como uma tática de introdução de novos leitores, já que (querendo ou não) o público gay é grande. No oriente esse tipo de material não visa tanto o público gay, e sim o público feminino, com seus yaois, sendo que para gays mesmo existe outro 'gênero', o bara. É compreendendo essas divisões que se pode fazer associações, e até observar que até em shoujos e shounens podemos encontrar relacionamentos homossexuais não explícitos, como é o caso de Sakura Card Captor (o shoujo do estúdio Clamp mais conhecido no mundo) e o aclamado Kuroshitsuji, ou Black Butler, de Yana Toboso (shounen que chega às bancas brasileiras em julho pela Panini).
Qual o motivo da polêmica?
A DC fez um reboot (quando se pega um personagem e se reseta toda sua história; um novo recomeço; do zero) da história de Alan Scott, o primeiro Lanterna Verde, considerado uma lenda até, que após 70 anos de sua criação volta em uma repaginada gay. Nessa nova história, Alan aparece com um namorado, ao qual faz um pedido de casamento (esse HQ tem direito até a beijo desentupidor de pia). Bom, esse "novo" personagem pertence ao universo paralelo da DC, ou multiverso, chamado Earth 2 (Terra 2).
O que anda revoltando alguns seres é que Alan Scott tem um filho (Manto Negro, que aliás é gay), é um reflexo da perfeição (olhos azuis, corpo esbelto, cabelos dourados; tudo aquilo que você imaginaria de padrão no 'american way of life'), e é engenheiro de estradas de ferro, ou seja, ele tem todas as características de um macho alpha perfeito (e cheio de clichês). Na cabeça desses "não-preconceituosos", a DC não poderia mexer com esse personagem dessa maneira porque ele é foda demais, e ele ser gay seria uma coisa que acabaria com tudo isso. Acho tudo isso uma completa babaquice e penso o contrário.
Alan Scott, um personagem desse porte ter virado gay, tudo isso para alavancar as vendas da DC e chamar novos leitores, é um fator positivo para provar que as grandes empresas pensam no público gay como forte e decisivo. É uma atitude louvável isso partir de uma revista americana, e de peso, porque marca uma quebra de antigas barreiras, e isso sim pode mudar muita coisa, levantando debates sobre as uniões homoafetivas na terra do Tio Sam. Sim, as revistas conseguiram chamar atenção da mídia não-especializada e venderam/venderão como água. Além de tudo isso, acho que temos que problematizar o que levou essas duas empresas a apostarem nesse tipo de público.
É lógico que a DC não é uma boazinha que simpatiza pela causa e quer ajudar. O que posso concluir com tudo isso é que há aquele velho interesse capitalista por trás desse golpe de publicidade. Há uns vinte anos atrás HQs vendiam aos milhões, hoje esse número caiu para (mais ou menos) cem mil, ou seja, as editoras estão sentindo na pele essa queda abrupta no consumo, e isso tudo está sendo refletido em suas revistas, que estão aparecendo com um roteiro mais "apelativo", e realmente feito para causar e vender. O grande público tem sua atenção chamada por essas polêmicas, e é isso que faz com que mais dinheiro vá para as editoras. E é assim que elas pretendem viver felizes para sempre...
Porém nem tudo é só felicidade. Com essa edição número #2 de Earth 2, já pode-se notar que houve uma queda nas vendas de brinquedos do herói verdinho. Pois é, esse golpe de marketing da DC Comics já começou a gerar seus efeitos negativos, mas... Pera, afinal fomos iludidos! Como assim, produção?
DC, já um mês depois de se mostrar "sem preconceitos" (ops, falha minha), na Earth - 2 #3 já mata o personagem gay, não o principal, mas sim o namorado. Ooooou seja, a DC tava afim apenas de provocar burburinhos, já que com isso chamaria atenção e dinheiro, só que, ou por falta de criatividade, ou por homofobia mesmo (opinião dos radicais), ela já mata o personagem gay na revista seguinte. Agora já podemos cronometrar quanto tempo demorará para que Alan arranje uma namoradA. Sim, amigos, sim! Estou com medo. Lista de personagens gays podemos encontrar aos montes, porém até quando...? Até quando a sexualidade desses personagens será encarada como ponto negativo?
No mundo onde para qualquer coisa subir de audiência há a exibição de mulheres peladas, acho que são hipócritas aqueles que abrem a boca para falar desse golpe de marketing da DC e da Marvel, afinal, matar um herói , ou até alterar a nacionalidade dele, só pra vender revistas também deveria ser debatido. Acho que o personagem ser gay, ou não, não importa. No final ele sempre acabará sendo um herói, salvando o mundo, com ou sem genkidama, gostando de homem ou de mulher.
O bom de tudo isso é acender um debate sobre o preconceito, sobre a homofobia. A mídia influencia SIM a visão das pessoas, e porque não abrir um diálogo sobre preconceito dentro desse espaço? Sim, eles só querem ganhar dinheiro, mas podemos aproveitar essa deixa.
Batwoman, a lésbica sexy das HQs.
E pra finalizar esse texto, já que quero ir jantar: será que não somos preconceituosos apenas por acharmos que não? Pensem nisso: será que só por vocês não suportarem ver o Lanterna Verde feliz e com namoradO, vocês não estariam nutrindo um preconceito? Eu creio, muito duramente, que sim!
Temos que rever nossos conceitos!

sexta-feira, 6 de julho de 2012

The Amazing Spider-Man

Depois de sair da faculdade correndo, de passar o dia lá comendo pão com patê e suco de maracujá, e assistindo aos mini-cursos da Semana de História, fui pra casa me arrumar, ou ao menos tentar tirar alguns resquícios da minha tarde, e de lá fui direto pro shopping, para assistir a pré-estréia de The Amazing Spider-Man com mais dois iludidos. Bem, eu já tinha uma ideia do que esperar da adaptação, mas mesmo assim me surpreendi um 'bocado', tanto pela interpretação do casal principal, quanto pelos erros 'de lógica' vistos em algumas cenas. Bem, comentários gerais à seguir:
Criado em 1962 por Stan Lee (Jack Kirby e Steve Ditko também participaram do processo de criação), na que eu gosto de chamar de "última leva de heróis", Spider-Man, ou Homem-Aranha, é daqueles heróis humanizados, que além de ter poderes, também tem dúvidas e problemas, como qualquer outro humano comum, sendo que o único diferencial é possuir "mais força do que os outros", se assim posso dizer. É daí que vem a frase "com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades", que não foi mencionada de forma alguma nesse filme, ao contrário da outra franquia, mas foi aplicada. Tio Ben não precisou dizê-la para que Peter, no decorrer da história, compreendesse.
Depois do fracasso do último filme da primeira franquia (sim, aquela estrelada por Tobey Maguire), a Columbia Pictures e a Marvel resolveram começar do zero (como se costuma fazer nos filmes do Batman, da DC) e o papel de 'herói aranha' foi dado à Andrew Garfield, que inicialmente foi motivo de bafáfá e descrença. Mas, assim que algumas imagens do mesmo começaram a sair na rede, os ânimos gerais foram  apaziguados. Andrew é realmente uma gracinha, e seu desempenho no filme ultrapassou o que eu esperava. O mesmo é um grande fã de Spider-Man, segundo ele um leitor assíduo desde pequeno, e isso o ajudou a entrar melhor no personagem.
Por outro lado temos a linda Emma Stone, com cabelos loiros, ao contrário de seu ruivo natural, dando vida à Gwen Stacy, a loira que até hoje é considerada a grande paixão de Peter Parker. Segundo a atriz, ainda quando o roteiro não estava pronto, ela fez testes para o papel de Mary Jane. Ela teve, assim como Andrew, uma atuação que conseguiu alavancar o filme, e a química entre os dois realmente foi ótima, tanto que os dois atualmente estão namorando. Sobre o relacionamento de Gwen e Peter, senti falta daquele lance de "sou tímido, te amo, e te olho à distância", que foi tão característico da outra franquia, e que eu adorava. Tá, ocorreram mudanças, mas eu realmente senti falta de um beijo marcante, assim como foi aquele da chuva em que Kirsten e Tobey dão aquele que é um dos beijos mais lindos da história do cinema. Já na nova franquia Peter é um beijoqueiro maníaco. Não estou nem aí se esse é o mais fiel aos HQ's, quero saber é da magia por trás dos relacionamentos dos heróis. Mas Raio, você tem que buscar a fidelidade com a obra! Fidelidade? Pelo que eu sei a Gwen morre antes de descobrir a verdadeira identidade do nosso caro fotógrafo. Encare isso, mundo cruel!
Spider-Man (2002)
Como em todo filme de herói temos que ter um vilão, e The Amazing Spider-Man não foi diferente. Dessa vez o eleito para o cargo de antagonista foi o já conhecido Lagarto, que nesse filme me deu cada susto que vou te contar. Bem, no quesito efeitos o filme não pecou, mais ainda trouxe aquela leva de vilões que não são tão vilões assim, sabe? Tá que o Lagarto apronta todas, participando dos melhores momentos de ação do filme, mas ele afinal é só um cara que quer ter seu braço de volta e perde a cabeça (enlouquece), mas no final dá um jeito de se converter. Sinto falta de um vilão que queira lhe ver realmente morto, como o Coringa, um psicopata que brinca com você e lhe fere, realmente lhe tirando seus amigos, como ele fez com o segundo Robin. Onde estão os vilões que poderiam realmente render um bom duelo sangrento? aiai
Decifra-me, ou devoro-te!
Momentos bons? A bunda do Andrew Garfield colada no uniforme. Momentos tristes? Enterro do pai da Gwen e Tio Ben no chão. Momento gritinho? Quando Gwen está trancada no armário e o Lagarto dá um susto nela (e nos espectadores). Outra coisa? Vale muito a pena assistir essa nova adaptação de Spider-Man. O homem aracnídeo está muito bem representado e pelo jeito vai ter um segundo filme e uma participação em Os Vingadores (viram Andrew lendo uma HQ de Os Vingadores e já estão especulando, não é culpa minha). Cena que curti e achei cômica? Stan Lee como bibliotecário escutando música enquanto o herói e o vilão destroem a biblioteca da escola. É engraçado, mas ele sempre aparece nos filmes baseados em suas HQ's... Vi um vídeo recentemente e, tipo, nunca notei ele. :( Ah, ia esquecendo, a Sony já  declarou que esse será o primeiro filme de uma nova trilogia. Preparados?

Enfim: corram para o cinema vocês também!

terça-feira, 3 de julho de 2012

Correio da Raio - Quando nossa maioridade já é constatada por lei...

Meus pequenos, como estão? Já faz tanto tempo que não falo com vocês... Senti tanta falta desse calor de reciprocidade. É algo que o dinheiro não compra, e que a faculdade, por mais que não queira, tenta tirar de mim! Como já mencionei anteriormente, já estou de férias, e agora tentarei responder todos os email's que a mim chegaram. Se vomitei arco-íris em cada um? N- Mais é claro que sim! Amei conhecer pessoas com os mesmos gostos que eu, que curtem essa minha humilde página virtual e que, por ironia do destino, ainda não respondi como deveria. Sinto muito por não ter enviado uma resposta concreta para vocês. Sinto muito mesmo, mas meu tempo estava reduzido... Quase nulo! Hoje, para quebrar esse clima, responderei mais uma mensagem. Para começar esta chuva de correspondências, vamos com um email que recebi ainda em maio, email esse de uma garota de sobrenome sofisticado e de maioridade já constatada por lei!
Oi Raio, tudo bem?!
Não achei seu nome estranho, é apenas diferente. Gostaria que o meu também fosse assim. Aliás, me chamo Priscila. Eu encontrei seu blog por acaso e li justo a sua matéria "Tudo isso só porque gosto de yaoi". Eu ri, achei muito "legal" o seu desabafo. Ainda não passei por essa situação, primeiro, porque meu irmão se casou recentemente e então o computador é só meu, e segundo, porque minha irmã sabe que eu amo yaoi e ela odeia, então nem sente curiosidade de saber o conteúdo. Eu acho até melhor. Não gostaria que minha irmã visse meus yaois, já que são minha coleção preciosa. Não quero dividir, rsrs.
Ah sim, "uma garota com a maioridade já constatada por lei", você disse isso. Na verdade eu tenho 22 anos, o que me torna uma garota com a maioridade já constatada por lei. rsrs brincadeira..
Eu sinceramente tenho um problema quando o assunto é "Ásia". Meu mundo gira em torno disso. Minha mãe disse, "você já é adulta, para de ver esses desenhos 'zóiudos'". Não dá. Simplesmente não dá.
Pelo que vi no seu blog, já assisti 99% dos animes e tudo mais que você mencionou, e tenho uma lista de pelo menos 1Tb de animes que já assisti. Não sou uma alienada, leio livros, assisto jornais, bem, não vem ao caso...
De qualquer forma, eu vi que você montou seu blog de um jeito muito legal! Eu quero fazer isso também. Criei esse blog 'Otaku e Nerd' (esse nome tem diversas razões) e queria sua ajuda, dicas de como você fez isso e aquilo. Eu realmente tô apanhando com o design dele rs. Pode me ajudar, por favor??!!
Em todo caso, vou continuar acompanhando seu blog. Se puder me ajudar eu agradeço muito. Este e-mail também é meu msn, se quiser me add fique à vontade. Espero que você ainda tenha esse e-mail ativo, e que leia esse meu imenso texto.
Aliás, centenas de desculpas por esse enorme texto! Não consegui escrever em menas palavras.
Desde já aguardo ansiosamente sua resposta!
Obrigada!!!
Priscila Vidotto
Oi, Priscila. Desculpa, mais uma vez, por ter demorado à responder seu email. Não precisa se preocupar com tamanho do texto. Sério, amo receber mensagens enormes! Bom, meu nome completo mesmo é Raiomara (como poder ver no meu twitter '@raiomara'), mas resolveram me apelidar no colégio de Raio, e o pior foi que pegou. Naqueles tempos eu realmente não me importava... Acho que podiam me chamar de qualquer coisa que eu nem ligava, mas com o tempo fui me acostumando, tanto que hoje já me apresento como Raio. Sim, muitas das minhas conversas acabam começando assim, é inevitável. O seu nome, por outro lado, é bastante comum, porém eu gosto. É o nome de uma grande amiga minha!
Acho que meu irmão acabou me fazendo um grande favor, já que aquele post desabafo realmente bombou demais, ao ponto de atrair vários leitores. No momento nem pensei nisso, já que tava digitando com um telefone na orelha, chorando para uma amiga, tentando explicar pra ela o que é yaoi. Nossa conversa ficou mais retida nisso, já que não costumo falar sobre yaoi pra nenhum amigo (só para o Jessé, da facul, que é otaku), e ela tava mais perdida do que cego em tiroteio. Foi bom desabafar com vocês, sério. Encontrei apoio em um lugar inimaginável, o que transformou um trauma em força. Ah, sim, gostei do seu comentário sobre 'a maioridade já constatada por lei'! :B
Sobre mães e família, acho que é meio complicado. Tipo, a minha é contra as minhas compras mirabolantes, tanto que costumo comprar escondido. Ela às vezes fala mal, mas acaba cedendo quando peço algum dinheiro "emprestado" para o frete dos babies. Adoro tudo isso, o que posso fazer?
Sabe, por mais que pestanejem, você gostar de animes, e assisti-los, é um verdadeiro exercício para a mente. Acho que às vezes costumo associar vários conteúdos dos livros com os episódios dos animes, com o que li em mangás... É algo espontâneo que te ajuda a compreender alguns costumes do lugar onde a história se passa. Eu agradeço muito aos animes, e os considero algo positivo para um bom aprendizado. Claro, você tem que dosar, mas ninguém é de ferro, né?
Você pediu ajuda com o blog, mas não sei dar muitos 'helps' quando o assunto é design, já que o que sei se resume apenas à meros ajustes. O que você tem mesmo é que vasculhar a net até o fim, procurando algum template que melhor se ajuste à você e à sua maneira de querer abordar conteúdos. É fácil. Ah, e só não te adicionei no msn porque não uso o meu. Tipo, eu tenho um, mas não uso, já que todos os meus contatos estão no facebook, e passo todo meu tempo on. Qualquer coisa pode me add lá!
Muito obrigada pelo email, sério, fiquei muito feliz enquanto o lia! Beijitos :*
E é isso, o Correio da Raio volta na próxima semana com mais um email. Aguardem! Ah, e se você quer o seu respondido aqui também, envie um email para cocacombiscoito@gmail.com com o assunto Contato.
Até a próxima!